ArtFem. Uma bienal para colocar Macau no mapa

A primeira edição da ArtFem – Bienal Internacional de Mulheres Artistas de Macau arranca já na próxima quinta-feira. A primeira edição do certame reúne trabalhos de quase uma centena e meia de artistas, provenientes de mais de duas dezenas de países e territórios e quer colocar a RAEM no mapa das grandes concretizações artísticas internacionais.

Denomina-se ArtFem, junta no território mais de uma centena de artistas oriundas mais de duas dezenas de países e territórios e tem a pintora portuguesa Paula Rego como madrinha. A primeira bienal internacional de mulheres artistas de Macau é inaugurada na próxima quinta-feira e prolonga-se até 13 de Maio.
O certame foi oficialmente apresentado a meio da semana, numa conferência de imprensa que contou com a presença do director do Museu de Arte de Macau, Chan Kai Chon e do grande promotor da iniciativa, Carlos Marreiros.

A ideia de organizar a Bienal Internacional de Mulheres Artistas foi testada ao longo dos últimos anos com a realização de vários certames artísticos, recordou Carlos Marreiros.

“A nossa bienal tem por objectivo valorizar o trabalho e o percurso das mulheres artistas. Só a curadoria do Albergue apresenta 101 artistas, sendo 27 da China, 19 de Macau, dez de Espanha, cinco do Brasil”, afirmou o arquitecto e director-geral do Albergue SCM, salientando que os restantes países e territórios estão representados por pelo menos um trabalho.
A edição inaugural da ArtFem é co-organizada pelo AlbergueSCM e pelo Museu de Arte de Macau (MAM). A iniciativa tem como objetivo aumentar a visibilidade das mulheres artistas contemporâneas e mostrar a sua influência criativa, tanto em termos sociais, como em termos culturais.
Carlos Marreiros explicou que na bienal estarão representadas autoras de todos os países de língua portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. A exposição tem, ainda assim, uma faceta internacional e junta, além de Paula Rego, outros nomes consagrados, como Vieira da Silva, Maluda e Graça Morais, a artistas emergentes, como Marta Ferreira ou Madalena Pequito.
Ana Silva, Duda Correia e Isabel Teixeira de Sousa de Angola, Fátima Pena e Graça Tirelli do Brasil, Nela Barbosa de Cabo Verde, Manuela Jardim da Guiné-Bissau, Suzy Bila de Moçambique, Maria Dulce e Tchung Nhulien de Timor-Leste e Zhang Ke de Macau, entre outras, são algumas das artistas dos países e territórios lusófonos que vão estar representados na bienal. Aos 83 anos, Paulo Rego não se desloca a Macau, mas vai estar quinta-feira representada pela filha, a actriz Victoria Willing, confirmou Carlos Marreiros.
A bienal é composta por duas secções distintas. A primeira apresenta 31 artistas e 40 peças da colecção do Museu de Arte de Macau, produzidas entre os anos de 1970 e a actualidade. Na segunda são expostas as obras de 101 artistas, recolhidas junto de colecções privadas ou do acervo das próprias artistas por Lina Barradas e por José Isaac Duarte, os curadores encarregados pelo Albergue SCM de produzir a parte da exposição coordenada pelo organismo.
O diretor do Museu de Arte de Macau, Chan Kai Chon, destacou a ideia de que, na bienal, os trabalhos da colecção do Museu completam os conteúdos da exposição e permitem ao público “um conceito da evolução” assinada por mulheres artistas.
Carlos Marreiros, por sua vez, salientou que as duas componentes da mostra se complementam em mais do que um sentido . O arquitecto lembrou que “as artistas que vêm de fora não apresentam esculturas, vídeos ou instalações por uma questão de orçamento, que é muito curto”. O orçamento da primeira edição da ArtFem é de 1,8 milhões de patacas, 1,5 milhões dos quais concedidos pela Fundação Macau.
“Macau tem todas as condições para estar no mapa mundial de todos os acontecimentos artísticos”, sublinhou Carlos Marreiros, lembrando a iniciativa chinesa “Uma Faixa, Uma Rota”, aplicável também aos domínios da educação e das artes: “Tenhamos engenho para saber aproveitar as sinergias desta iniciativa e para pôr Macau na rota das actividades culturais”, declarou.
Além dos países de língua portuguesa, China e Macau, a bienal conta com artistas de países e territórios como a Austrália, os Estados Unidos, Hong Kong, Japão, Rússia, Espanha, Georgia, Índia, Coreia do Sul, Taiwan e Irão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.