Novos dicionários virtuais da Porto Editora têm cunho de Macau

Lançados no primeiro dia do Ano Novo Lunar do Cão, os dicionários Português/Chinês e Chinês/Português da Porto Editora feitos por uma equipa dirigida por Ana Cristina Alves, antiga docente da Universidade de Macau. A equipa que preparou os dois documentos incluía ainda Ao Sio Heng, docente da maior instituição de ensino superior do território.

Os primeiros dicionários Português/Chinês e Chinês/Português disponibilizados através da Internet foram feitos a partir de Macau por Ana Cristina Alves, demoraram cerca de um ano a estarem operacionais e a equipa que os produziu abrange uma professora chinesa de português e de mandarim.

Doutorada em Filosofia da História e da Cultura Chinesa, Ana Cristina Alves disse no fim-de-semana à agência Lusa que quando lhe foi feito o desafio pensou que “não iria ser capaz”, pois à data leccionava na Universidade de Macau e o tempo que tinha era limitado: “Mas logo me foi dito que teria a equipa de informática da Porto Editora a trabalhar comigo e, ao fim de um ano o trabalho estava feito, em menos tempo do que aquele que tinha sido estipulado pelos responsáveis pela iniciativa”, salientou a académica. Ana Cristina Alves é autora de vários livros e manuais sobre língua e cultura chinesas, incluindo um volume sobre o papel da mulher na cultura chinesa.

Da autoria dos jesuítas Matteo Ricci e Michele Ruggieri, o primeiro dicionário de português/chinês foi publicado no final do século XVI.

O facto de o desafio ter sido “bastante aplacado” pela colaboração que lhe chegava do Porto, fez com que radicassem as “maiores dificuldades” no “trabalho de pesquisa” e na tradução para chinês moderno das entradas que lhe chegavam de Portugal: “Foi uma pesquisa enorme, pois cada entrada tem vários sentidos e havia que verificar quais eram as oportunas para cada uma delas”, explicou a docente.

Ana Cristina Alves sublinha ainda que o trabalho feito foi no “sentido de criar um dicionário que seja básico e essencial, para os contemporâneos”: “Não se trata de um dicionário erudito, mas sim para comunicação, em que tanto os estudantes, turistas e empresários o possam utilizar”, explica.

Para a autora dos livros “A Sabedoria Chinesa” (2005), “A Mulher na China” (2007) e do manual Chinês/Português e Português/Chinês (2010), a preparação do dicionário informático representou “um desafio muito diferente”, dada a sua “experiência ser no campo teórico, de ensino e na preparação de manuais”, recorrendo à metáfora para explicar de que modo teve de se readaptar para que a obra surgisse: “Para o efectuar tive de despir um pouco o meu lado teórico e académico para ir ao encontro das necessidades práticas da nossa sociedade”, descreveu Ana Cristina Alves, cujo critério da escolha levou a que a obra agora publicada obrigasse a que “25 mil dessas entradas fossem retiradas, ficando só as expressões essenciais”.

A parte do dicionário feita em Macau contou ainda com outra ajuda “preciosa” da universidade local, ficando a revisão a cargo da colega chinesa Ao Sio Heng, professora de português e chinês ao nível de iniciação.

Agitada pelo “nervoso miudinho” que a acompanhou na coordenação do dicionário, a especialista confessou à Lusa que para conseguir dar resposta ao trabalho houve dias em que teve de “acordar às duas horas da madrugada para traduzir e depois ir dar aulas”.

O facto da obra ter sido lançada em Portugal no dia em que se assinalou o Ano Novo Chinês é elucidativa de um maior investimento na cultura chinesa, diz a autora do livro de investigação “Culturas em Diálogo. A Tradução Chinês-Português” (2016).

“Os chineses gostam muito da língua deles e os caracteres são uma das características da sua cultura e pode ainda muito ser feito em termos de dicionários etimológicos, de provérbios, adágios e aforismos”, desafiou.

Nos dicionários hoje disponibilizados no ‘site’ Infopédia.pt constam mais de 25.500 entradas e cerca de 36.500 traduções.

Com o lançamento dos dois novos dicionários, a oferta da Infopédia.pt aumenta para 24 o total dos dicionários que disponibiliza. A empresa relaciona a Língua Portuguesa com sete idiomas – inglês, francês, espanhol, alemão, italiano, neerlandês e, agora, o chinês, “reforçando assim o seu estatuto de maior base lexicográfica em Língua Portuguesa”.

Em 2005, cerca 1,120 mil milhões de pessoas falavam putonghua, segundo dados divulgados pela linguista Colette Grinevald, investigadora do Laboratório Dinâmico da Língua, do Institut des Sciences de l’Homme, em Lyon, em França, .

Dados divulgados, em 2014, pela Babbel Magazine, apontam o chinês, com todas as suas variantes linguísticas, como a língua mais falada no mundo, por cerca de 1,2 mil milhões de pessoas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.