Hackers norte-coreanos terão tentado atacar AstraZeneca

Alegados hackers norte-coreanos terão tentado invadir os sistemas da fabricante de vacinas britânica AstraZeneca nas últimas semanas, revelaram duas pessoas que estão a par do assunto à agência Reuters, numa altura em que a empresa se prepara para lançar a vacina contra a Covid-19.

Os hackers terão fingido ser funcionários da empresa de contactos profissionais LinkedIn e do WhatsApp para abordar funcionários da AstraZeneca com ofertas de emprego falsas, de acordo com as fontes. Os piratas informáticos terão enviado documentos com supostas descrições de cargos que continham códigos nocivos criados para obter acesso ao computador das vítimas.

As tentativas de interferência cibernética visaram “um grupo amplo de pessoas”, inclusive funcionários envolvidos em investigações associadas à Covid-19, disse uma das fontes, que diz acreditar que nenhuma tenha tido sucesso.

A missão norte-coreana na Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra não respondeu a um pedido de esclarecimento. Pyongyang, que não tem nenhuma linha de contacto directo com a imprensa estrangeira, já negou que tenha realizado os ataques cibernéticos.

A AstraZeneca, que se tornou uma das três farmacêuticas que mais se destacaram no processo de desenvolvimento das vacinas contra a Covid-19 também não fez qualquer comentário.

As fontes, que pediram anonimato, disseram que as ferramentas e técnicas usadas nos ataques mostram que as tentativas foram parte de uma campanha de interferência cibernética em andamento que as autoridades dos Estados Unidos e investigadores atribuem à Coreia do Norte.

Anteriormente a campanha ter-se-á concentrado em empresas de defesa e organizações mediáticas, mas foi direccionada para alvos relacionados com a Covid nas semanas mais recentes, de acordo com três pessoas que investigaram os ataques.

Os ataques cibernéticos contra entidades de saúde, cientistas especializados em vacina e farmacêuticas aumentaram durante a pandemia de Covid-19, já que grupos de ataques virtuais apoiados por Estados e criminosos estão, alegadamente,  ansiosos para obter as pesquisas e informações mais actualizadas sobre o surto.

As autoridades ocidentais dizem que informações roubadas podem ser vendidas visando lucro, usadas para extorquir as vítimas ou dar a governos estrangeiros uma vantagem estratégica valiosa na luta para conter uma doença que já matou mais de 1,4 milhão de pessoas em todo o mundo.

A Reuters já tinha noticiado que hackers do Irão, da República Popular da China e da Rússia tentaram invadiras redes informáticas de farmacêuticas e até da Organização Mundial da Saúde (OMS) neste ano. Teerão, Pequim e Moscovo negaram as alegações.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.