Terrorismo. França anuncia reforço das fronteiras e expulsão de radicais

O ministro francês da Administração Interna, Gérald Darmanin, disse na segunda-feira que o país vai reforçar o controlo de fronteiras e expulsar os estrangeiros suspeitos de fundamentalismo islâmico, depois de uma série de ataques terroristas que o país sofreu em apenas um mês.

Numa entrevista à emissora “BFMTV”, Darmanin disse que 16 suspeitos de radicalização islâmica foram expulsos e que pediu aos delegados regionais do governo para deter outros estrangeiros em situação irregular sobre os quais haja o mesmo tipo de suspeita.

O objetivo é organizar a sua expulsão para os países de origem, que em muitos casos não os querem.

O ministro adiantou que no final desta semana viajará para a Tunísia e Argélia para trabalhar com os ministros locais numa maior coordenação antiterrorista e para que esses países aceitem a expulsão dos seus cidadãos suspeitos de radicalização islâmica em França.

Essas viagens foram organizadas após as conversas telefónicas do presidente francês, Emmanuel Macron, com as mais altas autoridades dos dois países do Magrebe.

O autor do ataque a uma igreja em Nice na última quinta-feira, no qual três pessoas foram mortas, identificado como Ibrahim Issaoui, é um tunisino de 21 anos que entrou clandestinamente na Europa no final de Setembro através da ilha de Lampedusa, em Itália. O alegado terrorista chegou recentemente a França.

Issaoui, baleado por agentes da polícia municipal, está internado sob custódia e será interrogado assim que o seu estado de saúde melhorar.

Darmanin indicou que em breve também se vai deslocar à Rússia para discutir o regresso dos chechenos radicalizados. O assassino do professor Samuel Paty, decapitado quando deixava a sua escola na região de Paris, a 16 de Outubro, era um jovem checheno de 19 anos com estatuto de refugiado em França.

O ministro do Interior ressaltou ainda que as fronteiras serão “melhor controladas”, sem dar detalhes de como será feito, e indicou não acreditar que “assinalar os estrangeiros” não é suficiente para controlar o terrorismo.

Para demonstrar a posição, Darmanin lembrou que a maioria dos terroristas tem nacionalidade francesa, e entre os estrangeiros existem perfis diferentes: “O terrorismo”, salientou, “não tem nada a ver com nacionalidade ou cor da pele”, mas com fundamentalismo islâmico.

França elevou o alerta terrorista para o seu nível mais alto depois do ataque de Nice, que entre outras coisas significa um aumento de 3 mil para 7 mil no número de agentes a patrulhar as ruas e locais estratégicos em todo o país.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.