Portugal. Iniciativa Liberal questiona Governo sobre fim a exposição do World Press Photo

O partido político português Iniciativa Liberal (IL) questionou na segunda-feira o Governo sobre o encerramento “sem explicações concretas” da edição de 2020 da exposição fotográfica World Press Photo, promovida em Macau pela Casa de Portugal.

A exposição terá sido encerrada de forma prematura porque exibia fotografias dos protestos que abalaram a Região Administrativa Especial de Hong Kong ao longo de todo o ano passado. Na interpelação ao Governo, a Iniciativa Liberal cita as palavra do director de exposições da Fundação World Press Photo, Laurens Korteweg, que defendeu que as razões para o encerramento da exposição permanecem “pouco claras”. Korteweg explicou ainda que a organização está “a acompanhar as notícias dos meios de comunicação social locais, nas quais se sugere que o encerramento da mostra pode ser o resultado de pressões externas sobre o conteúdo da exposição”.

A Iniciativa Liberal também remete para a posição da Associação de Imprensa em Língua Inglesa e Portuguesa de Macau (AIPIM), organismo  que “lamentou o encerramento da exposição” e que defendeu que, caso o encerramento esteja “relacionado com pressões em torno de algumas fotografias da exposição”, a AIPIM considera estar-se “perante algo de grave e um episódio preocupante que sinaliza uma erosão do espaço de liberdade de expressão”.

Na interpelação que faz ao Governo, a Iniciativa Liberal quer saber se o Ministério dos Negócios Estrangeiros “procurou esclarecer se o encerramento da mostra da World Press Photo na Casa de Portugal em Macau se ficou a dever a pressões políticas” e, se sim, de que forma o Governo português tenciona “protestar contra esta ingerência do regime chinês nos assuntos de Macau”.

A Iniciativa Liberal questiona o Governo e quer saber se, caso estas pressões sejam comprovadas, “em que medida está em causa o cumprimento dos tratados celebrados” entre a República Portuguesa e a República Popular da China sobre a Região Administrativa Especial de Macau, assim como as próprias relações sino-portuguesas.

Da mesma forma, a Iniciativa Liberal questiona se o Governo português tem mecanismos “preparados para evitar que em Macau se verifique uma situação semelhante” à que tem acontecido há mais de um ano em Hong Kong.

A Iniciativa Liberal diz que “tem vindo a alertar o Governo para a crescente intrusão da República Popular da China nos assuntos de outros países e regiões”: “Preocupa-nos sobretudo, à luz do que tem vindo a acontecer em Hong Kong, o destino de Macau, perante o que entendemos como uma pretensão da erosão do estatuto especial destes territórios por parte do governo chinês”, vinca a formação política, representada na Assembleia da República pelo deputado João Cotrim de Figueiredo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.