Norte-americana Louise Glück vence Nobel da Literatura

A poetisa norte-americana Louise Glück, de 77 anos, é a vencedora do Prémio Nobel de Literatura de 2020, anunciou a Academia Sueca esta quinta-feira. O anúncio apanhou os analistas de surpresa, mas reconhece uma vasta carreira iniciada nos anos 1960.

Glück foi premiada pela sua “inconfundível voz poética, que, com uma beleza austera, torna a existência individual universal”, afirmou a instituição.

Louise Glück é “uma poeta da mudança radical e do renascimento”, disse o presidente do Comité do Nobel, Anders Olsson.

A infância e a vida em família da escritora nascida em Nova Iorque, a relação estreita entre os pais e os irmãos e as irmãs são alguns dos temas abordados na sua obra. “Averno” (2006) é a sua colecção magistral de poemas, uma interpretação visionária do mito da descida ao inferno de Perséfone, raptada por Hades, deus da morte. Outro trabalho marcante é a sua mais recente compilação: “Faithful and Virtuous Night” (Noite Fiel e Virtuosa), de 2014.

Nobel feminino e no feminino

Dois anos depois do prémio ter sido entregue à polaca Olga Tokarczuk, Louise Glück é a 16ª mulher agraciada com o Nobel de Literatura, num ano com uma forte presença feminina.

Para além de Glück, três outras mulheres foram premiadas nas categorias científicas do Nobel e esta temporada pode bater o recorde de mulheres laureadas (cinco em 2009). Dois prémios ainda serão anunciados: o da Paz, na sexta-feira (9) e o da Economia, na segunda (12).

Após uma série de escândalos e de polémicas que abalaram o prémio literário mais famoso do mundo nos últimos anos, a escolha de 2020 da Academia Sueca era especialmente imprevisível, de acordo com os críticos.

No ano passado, o prémio de 2019 foi concedido ao escritor austríaco Peter Handke, mas as suas opiniões favoráveis ao falecido líder sérvio Slobodan Milosevic provocaram grande polémica.

O júri justificou que julgou a obra e não o homem. Em 2016, a Academia também surpreendeu ao distinguir Bob Dylan por uma obra de duvidoso carácter literário para alguns críticos.

Depois da polémica pelo prémio ao compositor, um escândalo sexual abalou a Academia Sueca há três anos, o que provocou o adiamento do anúncio do prémio de 2018 para 2019.

A Academia Sueca foi criticada pela maneira como administrou as acusações contra o francês Jean-Claude Arnault, marido de uma académica e personalidade influente do panorama cultural sueco, condenado por violação.

Este ano, os nomes do japonês Haruki Murakami, do franco-tcheco Milan Kundera, do espanhol Javier Marías, da canadense Margaret Atwood e da francesa Maryse Condé foram muito especulados.

Mas a Academia sempre preferiu os candidatos menos conhecidos aos escritores mais célebres, embora em 120 anos também tenha premiado grandes nomes da literatura.

Os países ocidentais têm vários prêmios Nobel de Literatura, mas grandes países como o Brasil nunca receberam o prêmio, enquanto a China conquistou um, com Mo Yan, em 2012, e a Índia outro, com Rabindranath Tagore em 1913.

A edição de 2020 não terá a cerimônia presencial de entrega dos prêmios, em dezembro, o que não acontece desde 1944, devido à pandemia do novo coronavírus.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.