Hong Kong. Fiéis temem o fim da liberdade religiosa

O cardeal Joseph Zen era adolescente quando fugiu da China comunista e se refugiou em Hong Kong, à época uma colónia britânica. Agora, o epíscopo teme que o território vizinho, uma vez mais sob um controle rigoroso de Pequim, deixe de ser um santuário da liberdade religiosa no contexto chinês.

O bispo emérito de Hong Kong, de 88 anos de idade, acha preocupante a aproximação entre a República Popular da China e o Vaticano nos últimos anos. Os seus receios aumentaram em Junho, quando Pequim impôs uma lei de segurança nacional de contornos draconianas em Hong Kong. Os críticos consideram que o diploma vai acabar com as liberdades fundamentais dos residentes da RAEHK: “Vemos em todo o mundo que, se alguém limita a liberdade das pessoas, a liberdade religiosa também desaparece”, disse o cardeal à Agência France Press na missão salesiana em que entrou há mais de 70 anos.

Desde o regresso da antiga colónia britânica à China em 1997, a liberdade religiosa tem sido preservada.

Na China continental, no entanto, os grupos religiosos são estritamente controlados pelo Partido Comunista, que desconfia de qualquer organização, especialmente religiosa, que possa ameaçar a sua autoridade.

O governo do presidente Xi Jinping impôs nos últimos anos uma política de “sinicização” das religiões, exigindo, por exemplo, que igrejas e mesquitas exibam a Constituição chinesa e pendurem a bandeira vermelha.

Os menores de idade estão agora proibidos de entrar nos locais de culto e muitos edifícios religiosos estão a ser destruídos um pouco por  todo o país.

Hong Kong, por outro lado, permite todos os tipos de cultos religiosos, até mesmo de grupos que defendem o proselitismo, como as Testemunhas de Jeová ou a Falun Gong.

Mas o cardeal Zen teme que isso não dure muito. As autoridades afirmam que a liberdade religiosa não está contemplada na nova lei de segurança, a resposta da China à enorme mobilização popular que se apoderou de Hong Kong em 2019 e que visa reprimir a secessão, a subversão ou a conivência com forças estrangeiras.

A exemplo do que sucedeu como a população de Hong Kong, as comunidades religiosas nutrem diferentes posicionamentos sobre a relação com a China.

Muitas igrejas possuem membros que apoiam Pequim, como a chefe do executivo Carrie Lam, uma católica fervorosa.

O chefe da Igreja anglicana local é membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CPPCC), uma câmara legislativa encarregada de assessorar o governo comunista.

O cardeal Zen não é, no entanto, o único preocupado. Muitas igrejas de Hong Kong desconfiam de Pequim e tomam partido abertamente pelo movimento pró-democracia.

Durante os protestos de 2019, não era raro que as igrejas abrissem as suas portas para que os manifestantes escapassem do gás lacrimogéneo: “Cantem aleluia ao Senhor” foi inclusive um dos hinos do protesto.

O pastor Yuen Tin-yau, um veterano da luta pró-democracia, acredita que é ingénuo pensar que a religião escapará à lei de segurança nacional: “É um ataque muito amplo às liberdades e aos direitos humanos”, disse à AFP. “Não há razão para que a liberdade religiosa saia ilesa”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.