Genebra aprova salário mínimo de 4086 francos. É o mais alto do mundo

Os residentes de Genebra, na Suíça, votaram neste domingo a favor de uma proposta que prevê o aumento do salário mínimo para 23 francos suíços por hora – cerca de 21,3 euros – para quem trabalha na mais internacional das cidades suíças. Genebra é também uma das urbes mais caras do mundo. A medida entra em vigor em meados do corrente mês.

Genebra é uma das cidades mais caras do mundo, com o aluguer de um apartamento de dois quartos a custar cerca de 3.000 francos e um café a ser vendido entre 4 e 5 francos. O salário mínimo garantido será de 4.086 francos suíços por mês para 42 horas de trabalho por semana, qualquer coisa como  3.785 euros. Trata-se do salário mínimo mais alto do mundo. A medida é, no entanto,  uma raridade no país: apenas três cantões, de um total de 26, adoptaram a obrigatoriedade do salário mínimo. Os cantões de Jura e Neuchâtel são, a par de Genebra, os dois outros onde a medida vigora. O Executivo do cantão e os partidos de centro e direita fizeram campanha pela rejeição da proposta.

A votação enfrentou vários contratempos no passado. Em 2014, os eleitores  suíços votaram contra a introdução de um salário mínimo em todo o território da confederação. Foram necessários três referendos em Genebra para que os defensores da medida conseguissem convencer 58 do eleitorado, cerca de 500.000 eleitores, de acordo com os resultados oficiais do referendo promovido no fim-de-semana.

Partidos de esquerda e sindicatos apresentaram a medida como uma forma de combater a pobreza e a precariedade. A pandemia de coronavírus está a atingir com força uma cidade que depende muito do turismo, das viagens de negócios e das idas e vindas de milhares de diplomatas, especialistas e outros funcionários importantes que trabalham – ou visitam –  as muitas agências da Organização das Nações Unidas que têm a sede em Genebra.

A pobreza é cada vez mais visível na cidade. Nas filas para alimentos e para outros bens essenciais tornaram-se uma visão cada vez mais frequente. Cerca de 17.000 trabalhadores auferem actualmente menos que o salário mínimo, de acordo com vários sindicatos. Dois em cada três são mulheres.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.