Covid-19. Estudo confirma baixa letalidade em crianças

Os Estados Unidos registaram oficialmente desde Março 277.285 casos de coronavírus em crianças de 5 a 17 anos de idade e 51 mortes, de acordo com aquele que é o estudo mais completo realizado pelas autoridades sanitárias norte-americanas até ao momento, numa altura em que os estabelecimentos de ensino estão a pensar reabrir as suas portas.

Entre 1 de Março e 19 de Setembro, a taxa de letalidade (proporção de casos confirmados que resultaram em mortes) calculada para crianças em idade escolar nos Estados Unidos é de 0,018 por cento, de acordo com o estudo, realizado pelos Centros para a Prevenção e o Controle de Doenças (CDC).

Os novos dados confirmam que a letalidade real da covid-19 é extremamente baixa nesta faixa etária, em comparação com os adultos e, especialmente, com os idosos.

Em outra análise publicada no portal electrónico do CDC a 10 de Setembro, as autoridades norte-americanas estimaram que, no cenário mais provável, as taxas de letalidade por faixa etária eram de 0,003 por cento (0-19 anos), 0,02 por cento (20-49 anos), 0,5 por cento (50-69 anos) e de 5,4 por cento (70 anos e mais).

Entre crianças, existe uma diferença notável entre os maiores e os menores de 11 anos, de acordo com o estudo dos CDC: a incidência foi o dobro dos 12 aos 17 anos, em comparação com as crianças com idades compreendidas entre os 5 e os 11 anos.

O estudo confirma ainda que as minorias são as mais atingidas nos Estados Unidos: 42 por cento das crianças infectadas eram de origem latina, 32 por cento branca e 17 por cento negra.

De 277.000 casos, 3.249 foram hospitalizados, 404 precisaram de cuidados intensivos e 51 faleceram.

No geral, vários estudos nos Estados Unidos da América e em outros países provaram que as crianças são menos vulneráveis ao vírus do que os adultos, embora não sejam imunes.

Na edição da semana passada da revista Science, dois investigadores do Reino Unido afirmaram que as hospitalizações de crianças infectadas eram raras e que somente 1 por cento das crianças que foram hospitalizadas faleceu, em comparação com 27 por cento da restante da população em todas as faixas etárias.

O debate científico continua com o propósito de compreender se os jovens se contaminam menos ou tanto quanto os adultos.

Na semana passada, uma análise que compilou 32 estudos sobre o tema e que foi publicada pela revista Jama Pediatrics concluiu que as crianças e adolescentes com idade inferior a 20 anos tinham, de facto, 44 por cento menos hipóteses de contrair a Covid-19. A mesma análise, porém, não foi capaz de concluir se as crianças eram vetores maiores ou menores do que os adultos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.