Futuro do TikTok decide-se neste domingo

O futuro imediato do TikTok nos Estados Unidos da América vai ser decidido neste domingo, na sequência de uma audiência judicial, que vai confirmar ou suspender a proibição de downloads  da famosa aplicação no país a partir desta noite, conforme decidido pelo governo de Donald Trump.

A audiência, agendada após um recurso de emergência do Tiktok, está programada em Washington às 09h30 locaisa, perante o juiz Carl Nichols.

Será acompanhada de perto pela elite dos negócios e por Pequim, que valoriza o aplicação e, mais particularmente, a sua tecnologia, especialmente o seu algoritmo, como se de uma joia se tratasse.

Se o juiz confirmar a decisão do presidente Trump de proibir o TikTok nos Estados Unidos, a aplicação já não poderá ser instalada no país a partir das 23h59 locais. E, embora os actuais usuários americanos possam continuar a usar o programa, não poderão fazer novas actualizações.

O juiz, no entanto, também pode suspender a proibição de baixar ou actualizar a aplicação de vídeos humorísticos e musicais, usado por 100 milhões de americanos todo mês. Não é de descartar, no entanto, um acordo entre o governo de Trump e a empresa matriz chinesa do TikTok, a ByteDance.

O TikTok solicitou esta semana um recurso de emergência no tribunal federal de Washington, alegando que a proibição não se ajusta à Constituição dos EUA.

A plataforma também argumenta que bloquear os downloads lhe causaria um dano irreparável, já que no início do Verão estaria a alistar cerca de 424.000 novos usuários norte-americanos por dia.

No início de Agosto, Trump assinou um decreto para obrigar a ByteDance a vender a plataforma a uma empresa norte-americana, argumentando que constituída uma suposta ameaça contra a “segurança nacional”.

O presidente acusou o TikTok de espiar os utilizadores em benefício de Pequim através da recolha de dados.

O último projecto de venda, anunciado no fim de semana passado, implica a criação de uma nova empresa, a TikTok Global, na qual participam dois impérios americanos: a Oracle como sócio tecnológico e a Walmart como sócio comercial.

Além disso, a Oracle teria uma participação de 12,5 por cento e o Walmart, de 7,5 por cento na nova empresa. Os americanos ocupariam quatro das cinco cadeiras do Conselho Executivo da empresa. Mas a conclusão deste projecto depende da boa vontade do presidente norte-americano e do governo chinês.

O TikTok tornou-se o novo símbolo da batalha entre os Estados Unidos e a República Popular da China pelo domínio do sector da tecnologia de ponta.

Recurso de emergência

Na segunda-feira, Trump, que está em plena campanha para a reeleição, insistiu que não aprovaria o projecto se o TikTok permanecesse sob controlo chinês, e afirmou que Oracle e Walmart seriam os donos da maior parte do novo grupo.

A ByteDance, que inclui investidores americanos, chamou esta informação de “rumores falsos”.

Se as negociações não forem bem-sucedidas, uma proibição completa das actividades do TikTok nos EUA pode entrar em vigor a partir de 12 de Novembro, alertou o Departamento do Tesouro.

A ByteDance anunciou que fez um “pedido de autorização” para a exportação de tecnologia, sem especificar o propósito.

Esta iniciativa poderia envolver o famoso algoritmo que fez do TikTok um sucesso: permite mostrar aos usuários o conteúdo com mais probabilidade de interesse, em função dos seus gostos, e levá-los a passar o maior tempo possível assistindo um vídeo atrás do outro na plataforma.

A República Popular da China recusa-se a permitir que este precioso sistema informático caia em mãos norte-americanas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.