Nova Iorque. Agente da polícia acusado de espiar a favor da China

Um agente das forças de segurança de Nova Iorque, de origem tibetana, foi acusado na segunda-feira de espionagem e responsabilizado pelas autoridades dos Estados Unidos da América por reunir informações sobre a comunidade tibetana radicada nos Estados Unidos. O  alegado espião é suspeito de passar a informação às autoridades chinesas.

De acordo com a acusação, o agente, que trabalhava numa delegacia de Queens, seguia ordens de membros do consulado chinês em Nova Iorque.

Através dos seus contactos com a comunidade tibetana, o homem de 33 anos supostamente recolheu informações entre 2018 e 2020 sobre as actividades dos tibetanos em Nova Iorque e identificou possíveis fontes de inteligência.

Segundo os autos do Ministério Público, o réu, que é reserva do Exército dos Estados Unidos da América, supostamente também permitiu que membros do consulado fossem convidados para eventos organizados pelo Departamento de Polícia de Nova Iorque. As autoridades chinesas teriam pago dezenas de milhares de dólares pelos seus serviço.

O agente foi indiciado por quatro crimes,  incluindo o alistamento ao serviço de um país estrangeiro em solo americano, a emissão de declarações falsas e ainda obstrução do funcionamento de um serviço público.

O suspeito, cujo nome não foi identificado, apresentou-se perante um juiz na segunda-feira e foi levado após sob custódia, disse à AFP um porta-voz do Ministério Público de Brooklyn. O agente está suspenso sem remuneração, de acordo com um porta-voz da polícia de Nova Iorque.

Nascido na China, o homem obteve asilo político nos Estados Unidos após alegar que foi torturado pelas autoridades chinesas por causa da sua origem tibetana. No entanto, a investigação mostrou que os seus pais eram membros do Partido Comunista Chinês: “Se a informação foi confirmado por um tribunal”, o caso “demonstra que o Partido Comunista Chinês está a realizar operações difamatórias para conter divergências, não apenas no Tibete, (…) mas em qualquer lugar do mundo”, disse a Campanha Internacional para o Tibete, uma organização que defende os direitos da etnia tibetana.

O Tibete funcionou como uma nação autónoma entre 1912 e 1950, mas Pequim recuperou o controlo do território em 1951. O Dalai Lama, líder espiritual dos tibetanos, vive no exílio desde 1959.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.