Hong Kong. Quase uma centena de detenções em protestos contra a lei da segurança

As forças de segurança da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong detiveram este domingo cerca de 90 pessoas na sequência de uma nova vaga de protestos contra a lei de segurança imposta pela República Popular da China e contra o adiamento das eleições para o Conselho Legislativo originalmente previstas para este mês.

No final de Julho, a Chefe do Executivo, Carrie Lam, anunciou que o escrutínio seria adiado por um ano devido ao “risco extremo para a saúde” representado pela terceira vaga de infeções de covid-19 com que a antiga colónia britânica se deparou desde o início da pandemia. Lam negou que a decisão tivesse motivações políticas, como alegavam activistas políticos e movimentos pró-democracia.

Carrie Lam justificou a decisão com os riscos decorrentes da previsível aglomeração de eleitores e trabalhadores nas mesas de voto, bem como com a  incapacidade dos residentes de Hong Kong radicados no estrangeiro de viajarem para votar devido a exigências da quarentena.

O adiamento das eleições legislativas é o mais recente capítulo da história das convulsões política em Hong Kong. A imposição, por parte do Governo Central, no final de Junho de uma nova lei da segurança nacional – que pune com penas que podem chegar à prisão perpétua actos como a secessão ou conluio com forças estrangeiras – mergulhou o território vizinho num clima de agitação e gerou uma reacção de protesto da comunidade internacional.

Leung Kwok-hung, Raphael Wong Ho-ming e Figo Chan Ho-wun, membros da Liga Social Democrática, foram alguns dos activistas detidos “por participarem numa marcha não autorizada”, de acordo com a imprensa. A comunicação social da vizinha Região Administrativa refere ainda a adesão pouco significativa aos protestos, marcados por uma forte presença da polícia, com cerca de 2.000 agentes mobilizados.

Numa publicação no Facebook, a polícia reconhece que prendeu quase 90 pessoas por terem participado num protesto não autorizada. As manifestações concentraram-se nas zonas de Kowloon e Mong Kok.

Em vários vídeos publicados nas redes sociais consegue perceber-se que os manifestantes exigiam a possibilidade de voto e acusaram a polícia de corrupção.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.