Cientistas malaios querem clonar rinoceronte de Sumatra

This picture taken on November 8, 2016 shows Andatu, a Sumatran rhino, one of the rarest large mammals on earth, at the Rhino Sanctuary at Way Kambas National Park in eastern Sumatra. There are no more than 100 left on the entire planet and Andatu -- a four-year old male -- is one of the last remaining hopes for the future of the species. He is part of a special breeding programme at Way Kambas National Park in eastern Sumatra that is trying to save this critically endangered species from disappearing forever. / AFP / GOH CHAI HIN (Photo credit should read GOH CHAI HIN/AFP/Getty Images)

Cientistas malaios lançaram uma campanha de angariação de fundos com o propósito de tentar recuperar, através da ciência, o rinoceronte de Sumatra depois do último exemplar malaio da espécie ter morrido no ano passado. Os cientistas estão a usar uma técnica de clonagem de células-trono, um passo pioneiro para procurar recuperar uma espécie funcionalmente extinta.

“Temos confiança na tecnologia para conseguir levar avante este projecto, mas precisamos de cinco milhões de ringgit (um milhão de euros). Estamos a procurar patrocinadores”, disse à agência de notícias EFE Muhammad Lokman, investigador da Universidade Islâmica Internacional da Malásia.

Após a espécie ter desaparecido na Malásia, o futuro do rinoceronte de Sumatra está em grande medida dependente dos  80 exemplares de Dicerorhinus sumatrensis” que ainda permanecem na Indonésia e estão ameaçados de “perigo crítico” de extinção.

O responsável pelo projecto afirmou que já receberam cerca de um milhão de ringgit (cerca de 200 mil euros) do Governo da Malásia e preservaram tecidos vivos de diferentes órgãos como rins, fígado, pele ou coração dos últimos três espécimes de rinoceronte que morreram na Malásia.

Uma equipa de investigadores liderados por Lokman está a trabalhar para obter óvulos de um rinoceronte africano no zoológico de Kuala Lumpur com a intenção de fertilizá-los com células somáticas de rinocerontes de Sumatra: “Extraímos o núcleo dos óvulos e inserimos as células somáticas (dos rinocerontes extintos) para que no óvulo se desenvolva num embrião que possamos transferir para o útero de um animal substituto, que pode ser outra espécie de rinoceronte ou outro mamífero como um cavalo”, explicou Lokman.

O objetivo de Lokman e dos restantes investigadores passa por clonar pelo menos cinco ou seis exemplares para garantir a reabilitação da espécie em território malaio.

Esta técnica foi usada para clonar a ovelha Dolly, em 1997, mas é a primeira vez que é aplicada para reviver espécimes extintos num determinado local.

O projeto de clonagem surgiu depois de Imam, o último rinoceronte de Sumatra na Malásia, ter morrido de cancro aos 25 anos em Novembro do ano passado.

A morte de Imam, uma fêmea, no Estado do Sabah, na ilha de Bornéu, chocou muitos malaios e a comunidade de cientistas e conservacionistas, depois de o último macho da espécie que habitava em território malaio ter morrido seis meses antes.

Os últimos 80 exemplares do rinoceronte de Sumatra, a menor entre os rinocerontes, que medem até 1,3 metros de altura na cernelha, eram encontrados principalmente na ilha de Sumatra e, em menor extensão, na parte indonésia da ilha de Bornéu.

A Indonésia também abriga o rinoceronte de Java (“Rhinoceros sonicus”), a espécie de rinoceronte e provavelmente o mamífero mais ameaçado do mundo, com apenas 70 espécimes restantes na ilha de Java.

De acordo com a organização não-governamental Save the Rhino International, também existem cerca de 3.500 rinocerontes indianos na Ásia, enquanto que em África existem entre 5.300 e 5.600 rinocerontes pretos e entre 17.000 e 18.000 rinocerontes brancos.

As maiores ameaças aos rinocerontes são a caça furtiva – principalmente para recolher os seus chifres, muito procurados pelos consumidores da medicina tradicional -, bem como a perda de ‘habitat’ natural.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.