Steve Bannon detido por suspeita de fraude

Steve Bannon, o polémico antigo assessor de Donald Trump, foi detido esta quinta-feira e acusado de se ter apoderado de centenas de milhares de dólares de doações de uma campanha para construir o muro na fronteira com o México prometido pelo presidente dos Estados Unidos.

Junto com Bannon foram detidas e imputadas outras três pessoas pelo seu papel numa suposta fraude à volta da iniciativa “We Build the Wall” (“Nós construímos o muro”), que arrecadou cerca de 25 milhões de dólares, de acordo com as autoridades.

“Os acusados defraudaram centenas de milhares de dólares dos doadores, aproveitando-se do seu interesse em financiar um muro fronteiriço para angariar milhões de dólares, sob o falso pretexto de que todo o dinheiro seria dedicado à construção”, assinalou em comunicado Audrey Strauss, procuradora interina de Nova Iorque.

Segundo a procuradora, a campanha desviou quantias significativas de dinheiro para Brian Kolfage, um veterano de guerra do Iraque que fundou a iniciativa e foi o seu grande rosto, embora tenha sido assegurado repetidamente aos doadores que este não receberia um cêntimo.

Além disso, as autoridades salientam que os envolvidos criaram facturas e contas falsas para “branquear donativos” e “encobrir os seus crimes”, canalizando fundos da “We Build the Wall” através de uma organização sem fins lucrativos que controlavam: “Este caso serve de aviso a outros autores de fraudes de que ninguém está acima da lei, nem mesmo um veterano de guerra deficiente ou um estratega político milionário”, disse no comunicado Philip R. Bartlett, o inspector responsável pelo caso.

Para além de Bannon, o próprio Kolfage, dois outros homens, Andrew Badolato e Timothy Shea, foram detidos pelo seu papel na alegada fraude.

O antigo assessor de Trump prestou declarações esta quinta-feira num tribunal de Nova Iorque, enquanto Kolfage e Badolato foram interrogados por tribunais da Florida e do Colorado.

De acordo com a acusação, os quatro suspeitos receberam centenas de milhares de dólares de donativos, que utilizaram para despesas pessoais e fins que nada tinham a ver com o que foi prometido na sua campanha de angariação de fundos.

Todos são acusados de conspiração para cometer fraude electrónica e conspiração para branquear dinheiro, dois crimes que podem acarretar penas máximas de 20 anos de prisão cada um.

Bannon, considerado um dos grandes arquitectos da chegada de Trump à Casa Branca com a sua aposta populista e apoiantes da extrema-direita, deixou a Administração em Agosto de 2017.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.