Tailândia. Juventude questiona o poder e exige reformas

Nascido nas redes sociais, inspirado pelos jovens de Hong Kong e aparentemente sem um líder aparente, o movimento pró-democracia protagonizado pela juventude tailandesa pede reformas ao governo e ousa dirigir-se directamente à monarquia, uma questão particularmente sensível no país, de 66 milhões de pessoas.

A história recente do reino foi marcada por vários golpes de Estado e confrontos violentos entre diferentes facções, seja a favor ou contra o sistema. Os movimentos, em ambos os quadrantes, mostram uma sólida organização política e financeira.

Mas as novas gerações de activistas organizam-se de forma diferente, com manifestações que às vezes são programadas, outras espontâneas, e reúnem milhares de jovens: “Só quero exercer os meus direitos”, diz Rawee, de 20 anos, uma figura destacada em vários dos protestos. O activista chegou a queimar fotos do primeiro-ministro: “Este governo não é confiável nem bom para o povo”, afirma.

O primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha é um antigo chefe de exército e foi cérebro do golpe de 2014, que instaurou uma junta militar no poder durante 5 anos. Depois, tornou-se primeiro-ministro de um governo pró-militar após eleições pautadas pela polémica no ano passado.

 Mudar a Constituição

A principal reivindicação dos manifestantes é dissolver o parlamento e mudar a Constituição de 2017, que concede amplos poderes aos 250 senadores que o integram, eleitos pelo exército. Muitos manifestantes apoiam uma antiga força da oposição, entretanto ilegalizada, o Future Forward (FFP).

Em junho, o inexplicável desaparecimento do activista pró-democracia Wanchalearm Satsaksit no vizinho Camboja gerou indignação nas redes sociais. Ao longo dos dois últimos anos, pelo menos oito activistas desapareceram em circunstâncias suspeitas, segundo a organização não-governamental Human Rights Watch.

Nas ruas, os manifestantes apoderaram-se de marcas da cultura pop. Usam códigos do mangá japonês Hamtaro, do musical “Os Miseráveis” e fazem a saudação com três dedos do filme “Hunger Games”. “Temos que acordar!”, insistem.

A monarquia

 Numa afronta com contornos espinhosos, na última segunda-feira, num campus universitário de Bangkok, cerca de 4.000 manifestantes apoiaram 10 reivindicações para reformar e modernizar a monarquia.

Entre elas, está a sugestão de que o artigo 112 deve ser abolido:  o crime de lesa majestade que pode levar a 15 anos de prisão por criticar a família real. Outra é uma discussão sobre as finanças do monarca.

A Tailândia é uma monarquia constitucional, mas o nobre rei Maha Vajiralongkorn, conhecido como Rama X, fez mudanças profundas ao chegar ao trono em 2016. Tomou o controlo directo dos activos reais e colocou várias unidades do exército sob o seu comando directo.

A família real tem o apoio incondicional dos militares, que perpetraram uma dúzia de golpes de Estado desde o final da monarquia absoluta, em 1932.

É possível que este confronto acabe em violência? Na memória de muitos está ainda o massacre da universidade de Thammasat, em 1976, no qual dezenas de estudantes pacíficos foram assassinados por policiais e forças paramilitares.

Para o cientista político Thitinan Pongsudhirak, um banho de sangue do género prefigura-se pouco provável. Os estudantes “só estão a defender ideias, expondo as suas reivindicações e as suas queixas”, disse à AFP. “Se houver violência, será unilateral”, estimou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.