Galápagos. Frota pesqueira chinesa preocupa autoridades equatorianas

A Marinha do Equador está a vigiar está a vigiar activamente uma numerosa frota pesqueira de origem chinesa que está a operar perto das águas protegidas do arquipélago das Galápagos. As autoridades de Quito estão preocupadas com o impacto que a pesca junto às ilhas pode causar na vida marítima na região.

A Marinha realizou uma operações de patrulhamento na sexta-feira, que incluiu o estabelecimento de um viaduto na área de pesca onde os enormes barcos chineses se encontravam estacionados. As autoridades equatorianas enviaram ainda embarcações de reconhecimento, pertencentes à Guarda Costeira. Actualmente, 340 embarcações encontram-se estacionadas na área, informou a Marinha. Trata-se de um aumento substancial face às 260 que pescavam na região em meados de Julho.

Imagens recolhidas  no âmbito da operação de patrulhamento, que incluiu jornalistas, mostraram que pelo menos uma das embarcações parecia estar envelhecida e a precisar de manutenção.

O comandante da Marinha do Equador, Darwin Jarrín, disse que procurou abordar as autoridades da Colômbia e do Peru, com o propósito de compartilhar informações e desenvolver uma estratégia regional contra a pesca massiva. Cada um dos navios avistados junto às Galápagos podem capturar até 1.000 toneladas de peixe.

Os navios passaram várias semanas a pescar ao largo da costa do Peru antes de se dirigirem para a área das Galápagos, onde está situada uma das maiores reservas de vida marítima do planeta.

A frota chinesa marca presença desde 2017 nos meses de Verão nos arredores da Zona Económica Exclusiva das Galápagos, atraída por espécies marinhas como a lula gigante ou o tubarão-martelo.

A pesca não é propriamente ilegal porque ocorre em águas internacionais. Mas os ambientalistas afirmam que a estratégia permite à frota chinesa aproveitar as abundantes espécies que saem das ilhas e ocasionalmente migram rumo a alto-mar.

A República Popular da China prometeu uma política de “tolerância zero” para com as embarcações, autorizou o país andino a supervisionar os seus barcos e propôs uma moratória da pesca na área próxima às Galápagos entre Setembro e Novembro. As frotas pesqueiras geralmente deixam a área antes desse período.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros equatoriano, Luis Gallegos, disse neste domingo a um canal de televisão que o país andino pediu a extensão da moratória e que elaborou protocolos escritos para a supervisão dos navios: “É um problema que vamos resolver em nome do nosso próprio interesse. É fundamental defender a soberania do Equador no contexto de todos os instrumentos que temos”, acrescentou. “Mas não é um problema imediato, não é um problema que muda um padrão da noite para o dia”, disse ele.

Em 2017, um navio chinês foi capturado na Reserva Marinha de Galápagos com 300 toneladas de espécies e após um longo processo judicial foi entregue ao país andino.

As Ilhas Galápagos, que serviram de pano de fundo para a teoria da evolução das espécies do cientista britânico Charles Darwin no século 19, abrigam uma grande variedade de tartarugas, flamingos, albatrozes e cormorões. Também existe uma grande riqueza em termos de fauna e de flora marinha.

O Equador também está a conduzir negociações diplomáticas com organizações regionais e países costeiros da América Latina para encontrar uma estratégia comum e proteger o ecossistema da região, bem como para regulamentar a pesca em alto mar.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.