Nagasaki recorda os 75 anos do lançamento da bomba atómica

A cidade japonesa de Nagasaki recordou, este domingo,  o 75º aniversário do lançamento da bomba atómica, num contexto particular devido à pandemia de coronavírus que obrigou a limitar as homenagens às vítimas.

O inferno abateu-se sobre Nagasaki a 9 de Agosto de 1945, três dias depois de Hiroshima ter sido devastada  pela”Little Boy”, a primeira bomba atómica.

As duas bombas, de um poder destrutivo sem precedentes na época, fizeram com que o Japão se rendesse. A 15 de Agosto de 1945, o imperador Hirohito anunciou aos japoneses a capitulação aos Aliados, o acto que pautou o desfecho da Segunda Guerra Mundial.

Ao início da manhã deste domingo, dezenas de pessoas assistiram a um serviço em memória das vítimas na Catedral de Urakami,  perto do local onde a bomba explodiu, ao passo que outros participaram numa homenagem no Parque da Paz da cidade.

O número de pessoas autorizadas a participar nas homenagens foi reduzido em 90 por cento em relação aos anos anteriores.

Às 11h02 locais, os sinos tocaram no Memorial da Paz de Nagasaki e os presentes, incluindo alguns estrangeiros, observaram um minuto de silêncio.

Um grupo de representantes dos sobreviventes, familiares das vítimas, crianças e adolescentes trouxeram simbolicamente água para as vítimas em recipientes de madeira, uma homenagem à sede angustiante que sofreram os habitantes da cidade após a explosão da bomba.

Feridas terríveis

O momento ainda está gravado na memória de Shigemi Fukahori, de 89 anos, que ofereceu o seu depoimento durante uma cerimónia transmitida ao vivo pela estação de televisão pública japonesa NHK.

Fukahori, então um adolescente, recordou ter visto “montanhas de corpos enegrecidos” que ele não sabia “se estavam vivos ou mortos”: “As pessoas gritavam: água, água! Mas eu não pude ajudá-las”, explicou o sobrevivente, cujos amigos e irmãos foram mortos na explosão.

“Eu vi muitas pessoas com queimaduras e ferimentos terríveis a ajudar a evacuar pessoas que já estavam mortas para uma escola convertida em abrigo”, disse recentemente à AFP Terumi Tanaka, de 88 anos.

Os sobreviventes “acham que o mundo deve abrir mão das armas nucleares”: “Não queremos que as gerações mais jovens vivam a mesma coisa”, disse Tanaka, que está preocupado com o excesso de confiança de quem acredita que uma bomba atómica não voltará a ser usada.

A presidente da Câmara de Nagasaki, Tomihisa Taue, pediu aos presentes que aplaudissem os sobreviventes, conhecidos no Japão como os “hibakusha”, que “não pararam (…) de alertar o mundo inteiro para os perigos das armas nucleares”.

Risco nuclear “continua presente”

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu ao Japão que assine o tratado da ONU sobre a proibição das armas atómicas, aprovado em 2017, por meio de mensagem lida pela vice-secretária-geral Izumi Nakamitsu.

“A perspectiva de um uso intencional, acidental ou mal calculado da arma nuclear continua presente”, advertiu Guterres.

As potências nucleares  – Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, China, França, Índia, Paquistão, Israel e Coreia do Norte – boicotaram o acordo, da mesma forma que fizeram a maioria dos países da NATO, incluindo o Japão.

“Como único país que sofreu ataques nucleares, é nosso dever fazer avançar os esforços da comunidade internacional para alcançar um mundo livre de armas nucleares”, disse o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, que defendeu que o Japão “actuará como uma ponte entre os países com posições diferentes”.

As cerimónias acontecem num momento em que persistem as preocupações com o programa nuclear norte-coreano e as relações entre Estados Unidos e China estão a deteriorar-se.

A primeira bomba atómica causou cerca de 140.000 mortes em Hiroshima.

Muitas pessoas morreram no local e outras nos dias e semanas após a explosão.

A segunda bomba atómica, a de Nagasaki, matou mais 74.000 pessoas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.