Manifestações contra o Kremlin agitam o Extremo Oriente russo

Milhares de manifestantes saíram à ruas contra o governo russo no sábado,  em Khabarovsk, na região do Extremo Oriente russo, após a detenção de um popular governador local e sua substituição, esta semana, por um político nomeado pelo Kremlin que nunca viveu na região.

Os habitantes de Khabarovsk, perto da fronteira com a  República Popular da China, protestaram após a prisão, em 9 de Julho, do governador Sergei Furgal, acusado de assassinatos e que foi destituído do poder oficialmente na segunda-feira passada.

Os protestos estão entre os mais importantes dos últimos anos contra o governo russo. Esta semana, o Kremlin afirmou que os actos estão a ser incitados de fora da região por militantes de oposição.

Este sábado, milhares de manifestantes tomaram as ruas da cidade, agitando bandeiras locais e cartazes, e repetiam palavras de ordem contra o presidente Vladimir Putin: “Queremos que libertem o nosso governador, porque acreditamos que, muito provavelmente, foi preso ilegalmente”, disse Alina Slepova, uma manifestante de 24 anos.

Os activistas reuniram-se em frente à sede da administração regional, na praça Lenin, onde gritaram “Liberdade” e “Putin,  abdica”.

De máscara, os agentes das forças de segurança permitiram os protestos, apesar das rígidas medidas para se evitar aglomeração de pessoas, no âmbito da pandemia do novo coronavírus.

“Nada em troca”

As reacções à detenção de Furgal ganharam contornos massivos, mas a mobilização também foi uma via para canalizar a frustração com o Kremlin.

“A capital está a absorver os recursos da região do Extremo Oriente”, disse Alexander Gogolev, de 45 anos, um manifestante que expressou o seu descontentamento porque a região não recebe “nada em troca”.

De acordo com os responsáveis pelo evento em Khabarovsk, a manifestação reuniu cerca de 6.500 pessoas, mas os meios de comunicação social partidários da oposição afirmaram nas redes sociais que o protesto contou com quase 90 mil participantes.

Os jornalistas que cobriram o evento estimaram que se tratou de uma das mais importantes manifestações desde o inicio dos protestos, no início do mês.

A polícia em Moscovo prendeu pelo menos dez pessoas que se reuniram na capital em apoio aos manifestantes de Khabarovsk, relatou uma organização não governamental.

Na segunda-feira, Putin destituiu Furgal, de 50 anos, e nomeou para o seu lugar um deputado do mesmo partido nacionalista LDPR, Mikhail Degtiarev, de 39 anos.

Furgal, que se encontra em prisão preventiva em Moscovo, está a ser acusado de vários assassinatos cometidos há mais de 15 anos, quando era empresário.

Os seus apoiantes consideram que este assunto é uma forma de neutralizar um adversário do partido no poder, a Rússia Unida. Membro do LPDR, Furgal foi eleito governador contra o candidato do Kremlin com quase 70 por cento dos votos.

Os moradores de Khabarovsk vêm Degtiarev como um estranho sem experiência e sem conhecimento sobre a região.

Num vídeo publicado no Instagram esta semana, o novo governador rejeitou os pedidos de renúncia e disse que as manifestações em massa não reflectem a opinião pública geral.

Antes dos eventos, o novo governadore sugeriu que cidadãos de fora, procedentes de Moscovo, foram à localidade para organizar os protestos.

O Kremlin nega as acusações de interferência estrangeira, mas disse que as manifestações são um “nutriente […] para criminosos” e activistas da “pseudo-oposição”.

Já o líder opositor Alexei Navalni fez chegar o seu apoio aos protestos e afirmou, esta semana, que as reivindicações terão sucesso apenas “com o apoio de todo país”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.