Amostras de águas dos esgotos demonstram que Covid-19 não foi eliminada em Paris

Amostras de água residual recolhidas no sistema de esgotos de Paris revelam vestígios do vírus responsável pela Covid-19 desde o final de Junho, ainda que o vírus tenha desaparecido dos esgotos da capital francesa quando a França impôs medidas rígidas de isolamento, de acordo com o responsável pelo laboratório que conduziu a investigação.

As taxas de infecção em França estão a recuar, mas esta semana as autoridades tornaram o uso de máscaras obrigatório em espaços públicos fechados em reacção ao aparecimento de uma série de novos  focos de contágio. Até ao momento, a Covid-19 já matou mais de 30 mil pessoas em França.

Estudos conduzidos por cientistas da Holanda, França, Austrália e outros locais levam a crer que as amostras de esgoto para detecção do coronavírus SARS-CoV-2 podem ajudar a estimar o número de infecções numa determinada área geográfica sem que seja necessário testar cada pessoa.

Laurent Moulin, que comanda o laboratório de investigação administrado pela empresa de água pública Eau de Paris, alertou que as descobertas, por si só, não significam que o vírus tenha ressurgido na população desde que o país relaxou as restrições do isolamento.

Mas, disse Moulin, quando vistas em conjunção com outros dados, podem ser um alerta precoce útil sobre a disseminação do vírus, mesmo antes de as pessoas se sentirem doentes o suficiente para procurar assistência médica: “Tivemos o isolamento, que reduziu o número de pessoas doentes, e um pouco depois vimos uma redução da concentração de SARS-CoV-2 na água residual”, disse Moulin, referindo-se à estirpe do vírus responsável pela epidemia de Covid-19.

“O que estamos a ver desde o final de Junho? Vimos algumas localidades que estavam negativas (para indícios do vírus) e que estão a tornar-se positivas.”

As taxas de infecção estão a diminuir em Paris, em linha com a tendência nacional.

Funcionários da central de tratamento de esgotos de Noisy-le-Grand, no extremo leste da capital, enchem frequentemente garrafas com água residual e colocam-nas numa caixa térmica. As amostras são levadas para o laboratório localizado na zona sul da cidade, e ali investigadores devidamente trajados procedem à análise química da água.

Os testes com amostras de água residual detectam genomas do coronavírus, fragmentos do material genético do vírus que não são infecciosos e podem ser emitidos por pessoas sem sintomas.

Moulin disse que os indícios que a sua equipa recolheu no sistema de esgoto serão aplicados a modelos que estão a ser usados para analisar a progressão do vírus.

Em Abril, investigadores de Paris publicaram resultados que mostraram como a recolha de amostras de água residual da cidade durante um mês rastreou a mesma curva de crescimento e de queda da epidemia.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.