Hong Kong. Manifestantes assinalam primeiro aniversário do ataque de Yuen Long

Grupos de manifestantes pró-democracia da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong reuniram-se esta terça-feira para lembrar o primeiro aniversário de um ataque desferido por uma multidão armada, vestida com camisolas brancas numa das estações de metropolitano da antiga colónia britânica. Os activistas exigiram Justiça para as vítimas da violência e ainda liberdades mais abrangentes para os residentes da RAEHK.

No dia 21 de Julho do ano passado, 45 pessoas ficaram feridas depois de mais de uma centena de homens vestidos de branco terem invadido a estação de metropolitano. A polícia foi criticada por não ter acudido com rapidez suficiente aos pedidos de ajuda e por não prender os suspeitos no local.

O ataque de Yuen Long e a aparente incapacidade da polícia para o evitar, exacerbaram as tensões durante os protestos do ano passado e mergulharam o território vizinho na sua pior crise desde que o Reino Unido devolveu Hong Kong à soberania chinesa, em 1997.

Esta terça-feira, espalhados ao redor do shopping center Yoho e da estação de metropolitano de Yuen Long, os manifestantes bradaram slogans como “Independência para Hong Kong, a única saída”.

Centenas de agentes das forças de intervenção isolaram a área e exortaram as pessoas a não se aglomerarem por causa das restrições relativas ao distanciamento social, numa altura em que nos focos de contágio local ameaçam a cidade-

Grupos de jovens que percorriam o centro comercial insultaram a polícia à distância e bradavam “Libertem Hong Kong. Revolução de nossa era”, um slogan que, de acordo com um alerta do governo, pode violar a nova lei de segurança nacional. A polícia usou gás pimenta durante um dos confrontos.

O protesto desta terça-feira ocorreu após a imposição de uma nova lei de segurança pela República Popular da China. O diploma desencadeou críticas internacionais e provocou temores em relação às liberdades e à autonomia de Hong Kong, contempladas no princípio “Um país, Dois sistemas”.

Alguns dos manifestantes erguiam cartazes em branco para se oporem à lei, que dizem criminalizar a liberdade de expressão: “Tive muitos sentimentos de decepção nas últimas semanas”, disse Lok, um estudante de 18 anos vestido com camisola e calções pretos, admitindo que a adesão ao protesto foi menor do que esperava:  “Mas o povo de Hong Kong deve continuar a manter este espírito revolucionário e a lutar pelas suas liberdades”.

A China diz que a lei, que pune o que Pequim define de maneira abrangente como actos de secessão, subversão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras, é necessária para sanar as lacunas ao nível da segurança nacional causadas pela incapacidade do território vizinho de sancionar a legislação por conta própria. As autoridades de Hong Kong dizem que o diploma vai ajudar a trazer estabilidade à cidade.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.