Argentina protesta contra exercícios militares britânicos nas Malvinas

O governo argentino publicou esta quinta-feira um “protesto energético” contra a realização de exercícios militares do Reino Unido nas Ilhas Malvinas, cuja soberania é reivindicada pelo país sul-americano.

“A Argentina rejeita nos termos mais contundentes a realização destas manobras navais, aéreas e militares em território argentino ilegitimamente ocupado pelo Reino Unido, que constituem uma injustificada demonstração de força”, escreveu em comunicado o governo liderado por Alberto Fernández.

De acordo com o documento, intitulado “Protesto energético da Argentina”, no exercício realizado em Julho intervieram “o navio patrulha HMS Forth, a Companhia de Infantaria britânica A e a aeronave A400M, bem como os Typhoons 1435 Flight da Força Aérea Britânica (RAF), que fazem parte da força militar de ocupação ilegal do Reino Unido nas Ilhas Malvinas”.

Daniel Filmus, secretário argentino das Malvinas, Antárctica e Atlântico Sul, defendeu que “os exercícios britânicos violam todas as recomendações aprovadas pelas Nações Unidas (ONU) e pelos acordos dos países com costa no Atlântico Sul”.

“A Argentina reitera o pedido ao Reino Unido de não realizar acções militares na região e a retomar as negociações diplomáticas pela soberania nas ilhas nas condições estabelecidas pela resolução 2065 da ONU”, continuou Filmus.

No passado, a Organização das Nações Unidas e outras organizações internacionais pediram que tanto a Argentina como o Reino Unido retomem as negociações, com o objetivo de encontrar uma solução pacífica e definitiva para a disputa da soberania do arquipélago no Atlântico Sul.

A Argentina reivindica a soberania das Malvinas, ocupadas por forças britânicas desde 1833. A divergência levou os dois países a enfrentarem -se numa guerra em 1982 que durou 74 dias e terminou com a rendição argentina. No conflito, morreram 649 argentinos e 255 britânicos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.