China retira restrições ao investimento estrangeiro

A República Popular da China retirou uma restrição de vulto aos investimentos estrangeiros no sector financeiro. A medida era há muito exigida pelos Estados Unidos da América, com quem Pequim trava uma guerra comercial.

Os bancos estrangeiros poderão agora estabelecer filiais na República Popular da China e deter todo o capital sem necessariamente se associar a um parceiro local, informou a autoridade reguladora bancária (CBIRC).

Até agora, os bancos estrangeiros eram obrigados a associar-se a um parceiro local e não eram autorizados a possuir mais do que 49 por cento das joint ventures em que tinham investido.

O anúncio prefigura-se como um gesto de boa vontade da República Popular da China para com os Estados Unidos da América. Um acordo comercial preliminar entre as duas potências deve ser assinado ainda durante este mês, de acordo com Washington.

As duas principais economias mundiais travam uma guerra comercial desde Março de 2018, que resultou em tarifas mútuas de centenas de milhares de milhões de dólares sobre o trato comércio bilateral.

Há muito que Pequim promete abrir a sua economia aos investimentos estrangeiros, mas demorou a cumprir a promessa no sector financeiro.

Em Outubro, as autoridades chinesas divulgaram um cronograma para suspender várias restrições e, em Dezembro, o banco suíço UBS foi autorizado a ter uma participação maioritária nas actividades que desenvolve no país.

Desde o início do mês, as empresas estrangeiras especializadas em contratos de longo prazo podem investir na República Popular da China sem limites de detenção de capital.

As empresas de gestão de fundos poderão beneficiar de uma medida similar a partir do 1º de Abril e as correctoras a partir de 1 de Dezembro de 2020.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.