Austrália. Milhares de pessoas fogem da voracidade das chamas

O céu escureceu e choveram cinzas este sábado no sudeste da Austrália, região devorada por uma vaga de violentos incêndios que obrigaram dezenas de milhares de pessoas a abandonar as respectivas casas. As chamas ameaçam deixar cidades como Sydney completamente às escuras.

Neste sábado, foram registadas temperaturas acima de 40°C e ventos fortes, que contribuem para alimentar mais ainda as centenas de incêndios florestais que devoram o país desde há quatro meses. A maioria dos fogos está fora de controlo.

A primeira-ministra de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, confirmou que as piores hipóteses previstas para sábado “estavam a ser cumpridas”: “Os ventos fortes e as altas temperaturas” devem continuar pela noite, afirmou o chefe dos Bombeiros de Nova Gales do Sul, Shane Fitzsimmons.

As autoridades alertaram também para a possibilidade de se verificarem cortes no fornecimento de energia na maior cidade da Austrália, uma vez que o incêndio destruiu as linhas de transmissão de electricidade. O Governo está a pedir aos residentes que reduzam o consumo energético.

No sudeste do país, a região mais populosa, foi declarado o estado de emergência. Na sexta-feira, foi dada a ordem de evacuação a mais de 100.000 pessoas em três estados.

Três mil militares na reserva

“Vimos literalmente dezenas de milhares de pessoas partirem”, disse Shane Fitzsimmons. Os turistas e habitantes do sudeste do país já deixaram a região. Há engarrafamentos nas auto-estradas que conectam as cidades costeiras a Sydney e outras cidades importantes.

O primeiro-ministro, Scott Morrison, convocou três mil militares na reserva neste sábado para uma mobilização sem precedentes: “Permite ter mais homens na terra, mais aviões no céu, mais navios no mar”, declarou Morrison, muito criticado pela maneira como está a lidar com essa crise.

No entanto, o primeiro-ministro voltou a envolver-se numa polémica depois do Partido Liberal ter divulgado um vídeo em que são anunciadas novas medidas. Várias associações acusaram o chefe do Governo de usar a tragédia para fins políticos.

Um campo de refugiados

Em Batermans Bay, uma cidade turística normalmente cheia de actividade, os supermercados, lojas e bares estão fechados. Uma calmaria estranha e preocupante reinou neste sábado na cidade, que se encontra envolta pelo fumo dos fogos que ardem ao redor.

O único sinal de vida é o abrigo para evacuados, onde centenas de moradores obrigados a deixar as suas casas encontraram acolhimento em tendas e caravanas, instaladas num terreno da cidade. Parece “um campo de refugiados”, afirmou uma mulher, ali refugiada com o marido.

Pelo menos 23 mortos

Desde o início da temporada de incêndios em Setembro, pelo menos 23 pessoas morreram, de acordo com o primeiro-ministro australiano. Dezenas de outras pessoas estão desaparecidas e mais de 1.300 casas foram reduzidas a cinzas. Ardeu uma área equivalente ao dobro da Bélgica.

Os incêndios também foram mortais para a vida selvagem e destruíram quase todo o Parque Nacional de Flinders Chase, na Ilha Kangaroo, que abriga cangurus e koalas, informaram as autoridades.

Na pequena cidade de Mallacoota, a marinha australiana evacuou na sexta-feira mais de um milhar de pessoas. O primeiro dos dois navios fretados para resgatar os residentes chegou a Melbourne esta manhã de sábado.

Eloise Givney, 26, conseguiu escapar sob escolta policial depois de passar quatro dias sem electricidade, telefone ou internet: “As chamas estiveram a 50 metros de nós. Tivemos que nos guiar entre elas porque era a única saída”, contou à AFP.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.