Hong Kong. Polícia proíbe manifestação prevista para domingo

A polícia da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong proibiu esta sexta-feira uma manifestação convocada para este domingo, pela Frente Cívica dos Direitos Humanos. As forças de segurança da antiga colónia britânica justificaram a decisão com questões de segurança pública.

Como em ocasiões anteriores, a polícia alegou que este tipo de concentrações tende a dar origem a incidentes violentos. A Frente, responsável pelas manifestações que levaram à rua, de acordo com dados da organização contestados pela polícia, um milhão de pessoas a 9 de Junho, dois milhões a 16 de Junho e 1,7 milhões a 18 de Agosto, sendo que esta última havia também sido proibida pela polícia, anunciou já que vai recorrer da decisão, embora tenha afirmado não esperar uma resposta positiva.

Num comunicado divulgado na rede social Twitter, a Frente Cívica destacou que “a objecção da polícia implica uma proibição contra os cidadãos que querem expressar a sua objecção à violência policial”.

De todas as vezes que a polícia recusa autorizar uma manifestação, a população continuou a sair à rua de forma espontânea e muitos destes protestos improvisados terminam em confrontos entre agentes policiais e grupos radicais. A marcha devia realizar-se na zona de Tsim Sha Tsui, em Kowloon.

A contestação social que se vive em Hong Kong desde o início de Julho foi desencadeada pela apresentação de uma proposta de emendas à lei de extradição, que o Governo de Carrie Lam já retirou formalmente, em resposta a uma das exigências apresentadas pelos manifestantes.

Contudo, os manifestantes continuam a exigir que o Governo responda a quatro outras reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos, que as acções dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de Governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo.

A transferência de Hong Kong para a República Popular da China, em 1997, decorreu sob o princípio “Um país, Dois sistemas”.

Tal como acontece com Macau, para a vizinha região administrativa especial foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, com o Governo central chinês a ser responsável pelas relações externas e defesa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.