Hong Kong. “Estado de Direito está ferido de morte”, diz deputada

A deputada de Hong Kong, Claudia Mo, eleita por uma plataforma pró-democracia, defendeu em entrevista à agência Lusa que o Estado de Direito em Hong Kong está “ferido de morte”. A parlamentar acusa Pequim e o Governo de Carrie Lam de tudo usarem para intimidar a população.

“O Estado de Direito está ferido de morte em Hong Kong graças a Carrie Lam”, afirmou Mo, no final de uma semana marcada por uma série de detenções de activistas e deputados por alegadas acções ilegais durante as manifestações pró-democracia que duram há quase três meses na  antiga colónia britânica.

“O Governo de Hong Kong está a acabar ou a tentar acabar com a nossa liberdade de expressão, de protestar, e a tentar transformar as pessoas em ovelhas obedientes”, criticou.

A ex-jornalista, que em 2006 fundou o Partido Cívico, foi eleita pela primeira vez para o Conselho Legislativo de Hong Kong em 2012, para quatro anos depois garantir a reeleição, de novo pelo distrito de Kowloon West.

“O Governo de Carrie Lam e a sua administração tornou-se muito autoritária” e se esta “invocasse a legislação de emergência tornaria Hong Kong numa ditadura”.

A ex-jornalista da agência de notícias France-Presse cobriu em 1989 os acontecimentos na Praça Tiananmen, quando o movimento pró-democracia iniciado por jovens estudantes da Universidade de Pequim foi esmagado na noite de 3 para 4 de Junho, após a entrada de tanques do exército para pôr fim a sete semanas de protestos, o que resultou num número indeterminado de mortos.

Para Cláudia Mo, hoje “seria impensável [Pequim] usar as tropas para acabar com a agitação civil nestes tempos modernos”. Afinal, explicou, “estamos em 2019 e simplesmente não se pode fazer isso e, por essa razão, voltaram-se para as detenções em série”.

Contudo, ressalvou, o posicionamento das tropas do exército chinês e destacadas na guarnição em Hong Kong continua a ter apenas uma leitura: “Estão a utilizar todos os meios para intimidarem as pessoas”. Por outras palavras, insistiu, “querem assegurar-se que a população de Hong Kong sabe que a ameaça está presente”.

Como deputada, assegurou, a invasão do parlamento e a vandalização do Conselho Legislativo para o qual foi eleita levaram-na às lágrimas. Admitiu que “foi chocante”.

Disse lembrar-se que estava num directo para a estação televisiva norte-americana CNN: “Foi muito chocante, essas imagens da invasão, mas imediatamente compreendi que era preciso perceber a raiva, o ressentimento, frustração e hostilidade desta juventude que se foi somando ao longo de todos estes anos, desde 1997, exatamente há 22 anos”, sublinhou.

É que, sustentou, “os jovens entenderam que por meio dos protestos pacíficos não conseguiam ganhar nada”.

Num momento em que os confrontos entre manifestantes e a polícia prosseguem e que se parece viver um impasse político, Mo prevê que “os protestos vão continuar”, pelo menos até 1 de Outubro, “data estabelecida por Pequim, porque assinala o Dia Nacional” da China.

Os protestos em Hong Kong começaram a 9 de Junho, inicialmente contra emendas propostas pelo Governo a uma lei que permitira extraditar suspeitos de crimes para a República Popular da China.

Os manifestantes exigem atualmente resposta a cinco reivindicações: a retirada definitiva da lei da extradição, a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial, a demissão da chefe de governo Carrie Lam e sufrágio universal nas eleições para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.