Movimento convida população a espalhar “a luz da democracia” em Hong Kong

O movimento pró-democracia que tem liderado os principais protestos  organizados em Hong Kong convocou no sábado a população a “espalhar a luz da democracia por todos os cantos” do território. A iniciativa surgiu como resposta à proibição, por parte das autoridades de Hong Kong, da manifestação agendada para o fim-de-semana.

Numa semana de grande tensão marcada por detenções de activistas anti-governamentais e membros do parlamento, a Frente Cívica de Direitos Humanos (FCDH) sublinhou que “é preciso continuar a lutar pela democracia e pela liberdade”, mas “sem derramamento de sangue, sem detenções”.

Obrigada a cancelar o protesto, por não conseguir garantir a segurança dos manifestantes, a FCDH apelou no sábado à população que acenda uma vela ou a lanterna do telemóvel às 20:31, para “espalhar a luz da democracia por todos os cantos de Hong Kong”.

Um horário escolhido para a iniciativa que associa, precisamente, o dia e o mês do dia em que hoje se assinalam cinco anos em que a China recusou o sufrágio universal em Hong Kong (mês 08, dia 31).

Numa longa publicação nas redes sociais, apenas em chinês, a FCDH lembrou a capacidade de mobilização nos quase três meses de protesto, com milhões de pessoas nas ruas, num combate pela democracia que, sublinhou, dura há cinco anos, desde o movimento de desobediência civil conhecido como a “Revolução dos Guarda-Chuvas” que durou 79 dias.

As detenções e a proibição do protesto, de acordo com activistas ouvidos pela Lusa, faziam adivinhar mais um fim de semana tenso em Hong Kong e os receio de mais confrontos violentos entre manifestantes e a polícia acabaram por não se revelar infundados.

Nos últimos dias, a polícia deixou de fazer policiamento a pé pelas ruas para evitar quaisquer emboscadas às forças de segurança. Esta semana um activista foi atacado com tacos de basebol por homens com o rosto tapado. Um polícia foi alvo também de um violento ataque com uma faca à saída de um turno, na sexta-feira.

A empresa que gere o metro em Hong Kong já decidiu encerrar uma das estações na ilha, a partir do início desta tarde, por precaução, alegando ter a informação de possíveis distúrbios no local.

A administração do aeroporto internacional de Hong Kong, um dos mais movimentados do mundo, já admitiu que pode ter de cancelar alguns voos nos próximos dias, igualmente face a ameaças de acções que podem causar sérios constrangimentos às suas operações.

Na sexta-feira, confrontada com as detenções policiais, a deputada pró-democracia Cláudia Mo disse em entrevista à agência Lusa que o Governo de Carrie Lam e a polícia estavam a “deitar combustível sobre o fogo” e, à semelhança da CFDH acusou as autoridades de estarem a ‘ferir de morte’ o Estado de Direito, cerceando a liberdade de expressão.

Para além dos activistas políticos Joshua Wong, Agnes Chow, Andy Chan, Rick Hui e Althea Suen, a polícia deteve também três deputados do parlamento.

A esmagadora maioria das acusações está associada à participação e incitamento a participar em manifestações não autorizadas, agressões a polícias e vandalismo.

Desde Junho, mais de 800 manifestantes foram detidos, numa escalada de violência associada também a um impasse político, com a chefe do Governo a admitir chamar a si poderes reforçados face à situação de emergência que se vive no território e com a China a estacionar tropas na cidade vizinha de Hong Kong, Schenzen.

As reacções às detenções em Hong Kong já se fizeram ouvir. O Presidente dos Estados Unidos pediu à China que “aja com humanidade” para resolver o dilema de Hong Kong.

A União Europeia sublinhou a sua preocupação face aos últimos desenvolvimentos na antiga colónia britânica e a Amnistia Internacional criticou duramente a série de detenções efetuadas nos últimos dias.

Em entrevista à Lusa, o presidente da Ordem dos Advogados de Hong Kong, Philip Dykes, frisou com ironia que, pelo que se conhece de algumas das acusações, “podia deter-se metade da população”.

Os manifestantes apresentam cinco reivindicações: a retirada definitiva da lei da extradição, a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial, a demissão da chefe de governo Carrie Lam e sufrágio universal nas eleições para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.