Aromaterapia. Universidades francesas rendem-se aos óleos essenciais

Em França, a Universidade de Bourgogne, em Dijon, avançou para a criação de um diploma universitário em aromaterapia, destinado aos profissionais do sector da saúde. Incomum, a iniciativa não é inédita e atesta a crescente popularidade dos óleos essenciais, dentro e fora das unidades de saúde. O recurso às essências não se faz, ainda assim, sem riscos. Olivier Tissot, farmacêutico e responsável por um dos primeiros diplomas universitários em aromaterapia oferecidos pelas universidades francesas, esclarece dúvidas e aborda a questão do uso responsável dos óleos essenciais. 

A tendência veio, ao que parece, para ficar. Nos dias que correm, são cada vez mais os que procuram respostas alternativas às soluções propostas pela medicina tradicional. As abordagens terapêuticas com um cunho natural e um impacto o menos agressivo possível sobre o organismo estão na moda e a aromaterapia e os óleos essenciais não são excepção.

A fitoterapia é, provavelmente, a mais antiga das formas de medicina. Desde o dealbar dos tempos que o Homem procurou na Natureza e no meio que o rodeia soluções para as maleitas que o afectavam. A aromaterapia é um ramo particular da fitoterapia que faz uso dos componentes essenciais das plantas para promover o bem-estar de quem os utiliza. 

Os óleos essenciais podem ajudar a combater pequenas maleitas, seja em humanos ou em animais, e são cada vez mais encarados por hospitais e clínicas como um complemento terapêutico aos fármacos e aos tratamentos administrados por médicos e especialistas.

As essências não são, no entanto, produtos inócuos e não é por serem componentes naturais que a sua utilização não comporta riscos para a saúde. Algumas plantas, lembra Olivier Tissot, apresentam um elevado grau de toxicidade. O farmacêutico, que dirige um boticário especializado em óleos essenciais na localidade francesa de Ornans, salienta ainda que os mais violentos venenos se encontram à mão de semear na Natureza.

Foi precisamente com o propósito de desmistificar os óleos essenciais e promover a utilização responsável das essências que Tissot propôs à Universidade de Dijon a criação de um diploma universitário em aromaterapia, um curso com características raras no país da Europa em que o recurso a óleos essenciais está mais vulgarizado.

Mas o que é, afinal, a aromaterapia?

O vocábulo “aromaterapia” (do grego aroma + therapeia) designa o corpo de conhecimento que privilegia o recurso a óleos essenciais e substâncias odorantes como método terapêutico e profilático.

Ao passo que, enraízada numa vasta tradição popular, a fitoterapia promove a utilização directa da planta, a aromaterapia privilegia as essências extraídas de muitas das plantas de uso frequente no âmbito da fitoterapia. 

O primeiro e mais imediato dos pressupostos de diferenciação entre as duas terapias é o facto de nem todas as plantas poderem ser aproveitadas para óleos essenciais. O dente-de-leão é um bom exemplo de uma planta com inúmeras aplicações fito-terapêuticas, mas virtualmente sem qualquer aplicação aromaterapêutica pelo simples facto de não ser possível dela extrair óleos essenciais. 

As plantas que segregam substâncias odorantes são submetidas a um processo de destilação ou a métodos similares que permite a obtenção de óleos essenciais.

Ainda que os princípios activos das essências continuem a ser olhados com desconfiança por parte substancial dos profissionais de saúde, são cada vez mais os estudos e os testes laboratoriais que atestam os efeitos da aromaterapia como complemento a métodos tradicionais de tratamento.

Os óleos essenciais são comprovadamente activos contra certos vírus e certas bactérias. Os Suíços, por exemplo, utilizam os óleos essenciais para combater infecções urinárias como alternativa aos antibióticos e para diminuir a dependência face aos fármacos.

Com um vasto campo de acção – óleos há que ajudam a combater a dor, outros há que ajudam a relaxar e outros ainda que apresentam propriedades anti-inflamatórias, por exemplo – as essências possuem inúmeras propriedades benéficas, mas os benefícios podem não ser nenhuns caso os óleos não sejam utilizados de forma responsável.

De que forma estão os óleos essenciais regulamentados?

Dada a grande projecção que a aromaterapia tem tido, não é difícil encontrar óleos essenciais a ser comercializados em diferentes pontos de venda: farmácias, grandes superfícies, mercados e lojas da especialidade.

Em França, no entanto, há óleos e essências que só podem ser transaccionados por farmácias. É o caso da sálvia-comum (salvia officinalis), da tuia (thuja occidentalis) e do quenopódio (chenopodium album), plantas que apresentam uma toxicidade que compromete os benefícios que delas poderiam eventualmente ser obtidos pela administração responsável das essenciais. Dado o perigo a que surgem associados, os óleos essenciais das três espécies só podem ser vendidos por farmacêuticos.

Os demais óleos são relativamente acessíveis, mas não devem, ainda assim, ser administrados de ânimo leve, sem o conselho de um especialista. Mesmo o óleo essencial de lavanda ou de hortelã-pimenta (mentha piperita) podem ser perigosos se utilizados de forma irregular em crianças ou mulheres grávidas.

“Os óleos essenciais estão na moda. Mas esta é uma moda que tem implicações terapêuticas. Os princípios activos dos óleos podem ser eficazes, mas também tóxicos, daí a importância de uma aplicação científica”, assume Olivier Tissot.

Apesar de naturais, os óleos essenciais operam do mesmo modo que os fármacos convencionais. Possuem princípios activos que podem suscitar efeitos secundários. O recurso a quem tenha um conhecimento aprofundado das propriedades e características dos óleos essenciais é absolutamente aconselhado.

Antecipar o futuro. Um diploma universitário em aromaterapia 

Apesar de ser aceite como um ramo da medicina, a fitoterapia não consta do leque de matérias abordadas durante o período de formação dos profissionais de saúde e é, de grosso modo, negligenciada pelas universidades e pelas instituições de ensino superior. Os que desejam aprofundar conhecimentos na matéria vêm-se obrigados a seguir um curso superior suplementar quando uma tal alternativa existe.

Foi o caso de Olivier Tissot. Depois de completar uma licenciatura em farmácia em Besançon, Tissot decidiu aprofundar conhecimentos no campo da fitoterapia e da utilização das plantas como alternativa terapêutica. Na formação a que se submeteu , também na Universidade de Besançon, o farmacêutico teve a oportunidade de aprofundar conhecimentos também na area da aromaterapia, ainda que de forma superficial.

Como a especialidade o interessou particularmente, Tissot propôs à Universidade de Bourgogne em conjunto com dois outros colegas, a criação de um diploma universitário focado em exclusivo nos óleos essenciais e na aromaterapia. 

Os primeiros alunos da formação proposta por Olivier Tissot chegaram em 2014. No primeiro ano, o curso recebeu pouco mais do que uma vintena de candidatos a aromaterapeutas, mas o número duplicou no ano seguinte. No ano passado, e para responder à procura, Tissot dinamiza dois cursos por ano. A iniciativa atrai estudantes de toda a France, territórios ultramarinos incluídos e incide com um enfoque particular em profissionais de saúde de várias categorias: médicos, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas, auxiliares de acção médica. 

O diploma universitário ministrado pela Universidade de Bourgogne é um dos poucos em França a explorar de forma aprofundada a ciência por detrás dos óleos essenciais. O programa do curso está alicerçado em bases científicas e a segurança dos utilizados está no cerne da formação.

Precauções a ter em conta

O recurso aos óleos essenciais deve ser feito sempre tendo por base alguns pressupostos básicos, sobretudo quando o contacto com a aromaterapia não é propiciado por um profissional de saúde. 

Na perspectiva de Olivier Tissot, a escolha dos óleos apresenta-se como crucial. É particularmente importante optar por essências de qualidade, das quais se conhece a proveniência e a composição molecular. Certos óleos essenciais podem esconder elementos sintéticos ou mesmo perigosos, caso de pesticidas ou de produtos químicos com impacto nocivo. O recurso, sempre que possível, a óleos essenciais que foram alvo de análises laboratoriais (aos chamados quimiotipos) é uma opção aconselhada.

Por outro lado, há regras de bom senso que devem ser tidas em conta quando se recorre a óleos essenciais, a exemplo do que sucede com os fármacos e os medicamentos convencionais: respeitar a posologia, evitar administrar certos óleos em crianças e mulheres grávidas e manter uma atenção particular às contra-indicações. Em suma, fazer um uso responsável dos óleos, evitando ao máximos os aprendizes de feiticeiros.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.