Macho, macho dead. Mudanças climáticas podem representar ameaça à fertilidade masculina

As conclusões são de um estudo conduzido pela Universidade britânica de Anglia Oriental. Uma equipa de investigadores descobriu que o aumento da frequência de ondas de calor intenso está a ter consequências na qualidade do esperma produzido por insectos, bem como no comportamento sexual dos animais.

As alterações climáticas poderão representar uma ameaça à fertilidade masculina, de acordo com um estudo publicado na revista científica Nature, que revelou o dano causado pelas ondas de calor ao esperma dos insectos.

De acordo com a investigação, conduzida pela Universidade de Anglia Oriental (leste de Inglaterra), a infertilidade provocada pelas ondas de calor poderá ajudar a explicar por que razão a mudança climática está a ter impacto na população de diversas espécies, incluindo a extinção de algumas nos últimos anos.

Os responsáveis pelo estudo, liderados pelo professor Matt Gage, observaram a reacção de bichos-da-farinha machos a ondas de calor simulado. Depois, através de uma série de experiências, analisaram os potenciais danos à sua capacidade reprodutiva, tanto ao nível da qualidade do esperma, como à qualidade da sua descendência.

Deste modo, descobriram que uma primeira onda de calor reduzia para metade o número de crias que os insectos podiam produzir e uma segunda praticamente tornava estes machos estéreis.

Os cientistas descobriram ainda que a produção de esperma ficava ainda mais reduzida depois da exposição a estas ondas de calor em três quartos e o esperma que os insectos conseguiam produzir encontravam dificuldades na migração até ao aparelho reprodutor feminino. Os espermatozoides, descobriram os responsáveis, tinham maiores probabilidades de morrer antes da fertilização.

Além disso, os investigadores também exploraram o impacto no comportamento sexual dos animais depois de estarem expostos a altas temperaturas e descobriram que a frequência de acasalamento se reduzia a metade.

A investigação mostrou ainda que as crias de pais expostos às ondas viviam menos tempo e que o seu rendimento reprodutivo também se viu afectado.

Outro dos envolvidos no estudo, Kirs Sales, adiantou que “os insectos na natureza começam a ter que lidar com múltiplas ondas de calor, o que poderia tornar-se num problema para a população se a reprodução masculina não se pudesse adaptar ou recuperar”: “A comunidade científica acredita que os escaravelhos constituem uma quarta parte da biodiversidade, pelo que estes resultados são muito importantes para entender como reagem as espécies à mudança climática”, acrescentou Sales.

Os investigadores esperam que as suas descobertas possam ser incorporadas nos modelos que predizem a vulnerabilidade das espécies e, em última instância, ajudar a elaborar planos de acção direccionados para a conservação.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.