Pequim lamenta que Washington abandone UPU

A decisão foi comunicada pelo governo norte-americano na quarta-feira e justificada pela administração Trump com as normas de funcionamento da União Postal Universal. Pequim lamenta a decisão tomada pelo Executivo norte-americano e rejeita que Washington vincule a decisão à China.

A República Popular da China criticou esta sexta-feira a decisão dos Estados Unidos da América de abandonarem a União Postal Universal (UPU), que estabelece as normas para a circulação internacional de Correio, no âmbito da disputa comercial entre os dois países.

O porta-voz do ministro dos Negócios Estrangeiros, Lu Kang, diz que esta decisão não deve ser vinculada à China, apesar dos argumentos de que o acordo beneficia especialmente os fabricantes chineses, tornando mais barato enviar pacotes de Pequim para Nova Iorque do que entre locais no interior dos Estados Unidos da América.

“Lamentamos a decisão dos Estados Unidos de se retirarem da União Postal Internacional. Vamos continuar a trabalhar com todas as partes para dar o nosso contributo para o desenvolvimento do serviço postal global”, disse Lu Kang, em conferência de imprensa.

Donald Trump ordenou na quarta-feira ao seu governo que comece o processo de retirada dos Estados Unidos da América da União Postal Universal, organismo da Organização das Nações Unidas que reúne os serviços postais de 192 países.

A Casa Branca argumentou que as normas da organização, criada em 1874 e com sede em Berna, na Suíça, dão vantagem a países como a República Popular da China e Singapura, ao permitir-lhes enviar pacotes para os Estados Unidos da América a um preço muito barato, o que prejudica as receitas do Serviço Postal dos EUA.

O sistema da UPU garante preços mais baixos para o envio deste tipo de correspondência a partir das economias em desenvolvimento, mas Trump considera que alguns dos países beneficiados são agora grandes potências.

Esta decisão dos Estados Unidos da América surge numa altura em que os dois países estão envolvidos numa disputa comercial, com a imposição de tarifas sobre os produtos, primeiro por parte dos norte-americanos, com Pequim a responder.

O director-geral adjunto da UPU, Pascal Clivaz, também lamentou a decisão da administração de Donald Trump, garantindo que o organismo continua comprometido com o multilateralismo: “É lamentável que os Estados Unidos tenham tomado esta decisão, apesar de a respeitarmos, pois acreditamos que foi tomada depois de uma profunda reflexão. Quero assegurar a todos que a UPU continua comprometida com o nobre objectivo da colaboração internacional”, frisou.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.