Sulawesi. Trinta menores encontrados com vida, uma semana após maremoto

Os menores foram resgatados de dois centros de formação profissional, localizados nas localidades de Marawola e de Tondo, nos arredores de Sigi e de Palu. No sábado, as autoridades indonésias elevaram para 1649 o número de vítimas mortais da sequência de desastres naturais que afectaram o centro de Sulawesi no final da semana passada.

As equipas de resgate indonésias encontraram na sexta-feira com vida 31 menores que tinham ficado presos em dois colégios, mais de uma semana depois do terramoto e tsunami que atingiu a ilha de Sulawesi, informou a Basarnas, agência nacional de resgate da Indonésia.

Os menores foram resgatados na sexta-feira em dois centros de formação profissional, 23 deles no subdistrito de Marawola, em Sigi, e outros oito noutro em Tondo, populações situadas respetivamente a sul e a norte de Palu, a capital provincial, declarou à agência espanhola EFE o porta-voz da Basarnas, Yusuf Latif.

O porta-voz não precisou a idade dos estudantes, que ficaram isolados sem nenhum adulto nestes centros educativos, geralmente frequentados por alunos com idades entre os 15 e os 17 anos: “A catástrofe ocorreu na sexta-feira, pelo que [os adolescentes] estavam ainda a estudar nas escolas”, disse Latif, realçando que todos os jovens já se encontram com as suas famílias.

Basarnas indicou que o Governo estenderá o período de busca na região até aos 14 dias após o desastre, decidindo depois as medidas a tomar.

As autoridades elevaram no sábado para 1.649 o número oficial de mortos provocados pelo terramoto, seguido de tsunami e de avalanches de terra que se seguiram, afectando a região central da ilha de Sulawesi, onde mais de 70 mil pessoas ficaram deslocadas.

Mais de mil pessoas continuam sepultadas pelos escombros e a terra, segundo estimativas oficiais e das Organizações Não Governamentais, sobretudo no bairro de Balaroa em Palu, a cidade mais afectada, e em Petobo, situada sete quilómetros a sul da capital provincial.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.