Fórum de Investimento e Construção de Infra-estruturas sem representantes de Portugal

O certame, que decorre no final da semana, deverá atrair representantes governamentais de países como Angola, o Brasil ou Moçambique. O Ministro da Construção de Obras Públicas de Angola, Manuel Tavares de Almeida, é um dos governantes que vão marcar presença no Fórum.

O Fórum Internacional sobre o Investimento e Construção de Infra-estruturas vai receber, quinta e sexta-feira, representantes de Angola, Brasil e Moçambique, não estando prevista a presença de Portugal, foi hoje anunciado.

A nona edição do evento vai contar com a “participação de mais de um milhar e meio de pessoas, das áreas da política, comercial e académica de mais de seis dezenas de países e regiões, incluindo cerca de meia centena de funcionários governamentais”, afirmou, em conferência de imprensa, o vogal executivo do Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau, Sam Lei.

Angola vai fazer-se representar pelo ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares de Almeida, pelo vice-governador da província de Cabinda, Macosso Alberto Paca Zuzi, e pelos vice-governadores das províncias de Luanda e Luanda Norte, José Paulo Kai e Lino dos Santos, respectivamente.

Já o Brasil vai estar representado pelo vice-governador do Estado da Bahia, João Felipe De Souza Leão, enquanto que em representação de Moçambique vai estar presente o vice-ministro das Obras Públicas, Habitação e Recursos Hídricos, Victor Tuacale.

Este ano, não há representantes portugueses nem vão participar “empresas de Portugal”, anunciou Sam Lei, em resposta aos jornalistas. No ano passado, Portugal fez-se representar pelos secretários de Estado da Indústria e da Internacionalização, à data, João Vasconcelos e Jorge Costa Oliveira, respectivamente.

O evento vai colocar a tónica no desenvolvimento de infra-estruturas e na cooperação internacional através da inovação e de novos meios tecnológicos, mas também na promoção de construção de infra-estruturas nos países do projecto chinês “Uma Faixa, Uma Rota”.

Anunciada pelo Presidente chinês, Xi Jinping, a iniciativa “Faixa Económica da Rota da Seda e a Rota da Seda Marítima do Século XXI”, mais conhecida como “Uma Faixa, Uma Rota”, está avaliada em 900 mil milhões de dólares, e visa reactivar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Na sexta-feira está programado um seminário sobre Construção de Infra-estruturas entre a China e os Países de Língua Portuguesa, com a participação de funcionários governamentais “de cinco países e regiões de língua portuguesa” com o objectivo de estreitar a “cooperação e oportunidades no desenvolvimento de construção de infra-estruturas entre empresas da China, dos países de língua portuguesa e de Macau”, declarou a vice-presidente da Associação dos Construtores Civis Internacionais da China, na mesma ocasião: “Nos últimos anos, os países de língua portuguesa tiveram um rápido crescimento económico e a sua procura por infraestruturas é mais forte”, pode ler-se na página oficial do evento.

Os responsáveis do Fórum relembraram ainda a crescente cooperação energética entre os países de língua portuguesa e a China.

Vai ser ainda discutido, entre “especialistas de departamentos governamentais da China e dos países de língua portuguesa” a forma como as empresas da China Continental e de Macau podem participar em projectos de infra-estrutura nos países de língua portuguesa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.