Rebeldes rohyngia negam massacre de hindus

Um relatório da Amnistia Internacional responsabilizou o Exército de Salvação Rohingya de Arakan pela morte de 99 hindus em Agosto do ano passado, mas os guerrilheiros negam a autoria do massacre. O grupo garante que nunca atacou civis e que o alvo das suas investidas foi sempre o exército birmanês.

Um grupo de rebeldes rohingya rejeitou o relatório da Amnistia Internacional (AI) que atribuiu aos guerrilheiros a chacina de quase uma centena de hindus no final de Agosto último.

De acordo com a organização de defesa dos direitos humanos, a 25 de Agosto do ano pasado, um grupo de rebeldes rohingya armados tomou de assalto pelo menos uma aldeia no Estado de Rakhine, no oeste do país. Na investida foram massacrados pelo menos 99 hindus.

A organização não governamental documentou os ataques do chamado Exército de Salvação Rohingya de Arakan (ARSA) com dezenas de entrevistas, incluindo as de oito sobrevicventes, bem como com imagens analisadas por especialistas forenses.

Num comunicado publicado esta noite no seu perfil de Twitter – e após quatro meses de silêncio – o grupo nega “de forma categórica todas as acusações criminais injustificáveis e negligentes mencionadas no relatório”.

Os rebeldes rohingya, que agradecem à Aministia Internacional o seu “esforço” por defender os direitos humanos, asseguram que o único propósito do seu movimento é “defender, salvar e proteger a comunidade rohingya” e que o objetivo dos seus ataques sempre foi o exército birmanês e não “inocentes civis, independentemente da sua religião ou origem étnica”.

O êxodo dos rohingyas teve início em meados de Agosto do ano passado, quando foi lançada uma operação militar do exército birmanês contra o movimento rebelde Exército de Salvação do Estado Rohingya devido a ataques da rebelião a postos militares e policiais.

Desde que a nacionalidade birmanesa lhes foi retirada, em 1982, os rohingyas têm sido submetidos a muitas restrições: não podem viajar ou casar sem autorização, não têm acesso ao mercado de trabalho, nem a mecanismos de educação e saúde pública.

A campanha de repressão do exército birmanês contra esta minoria já foi classificada pela ONU como uma limpeza étnica e como uma das crises humanitárias mais graves do início do século XXI.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.