Taiwan não cede a ameaças e reafirma soberania

O primeiro-ministro da Formosa, Lai Ching-te, reafirmou esta quarta-feira, num discurso perante o Parlamento, a soberania de Taiwan. O governante garante que Taipé vai resistir às ameaças de Pequim e que não “baixará a guarda” face às ameaças vindas do Exterior.

As autoridades formosinas não se deixam intimidar pelas ameaças de Pequim e reafirmaram esta quarta-feira a soberania da ilha, menos de um dia depois do Presidente chinês, Xi Jinping, ter dito que a República Popular da China está preparada para empreender uma “sangrenta batalha” contra os seus inimigos, depois de ter garantido que não vai tolerar tentativas de secessão.

A reacção ao discurso proferido pelo Chefe de Estado chinês na sessão de encerramento da Assembleia Nacional Popular chegou hoje, pela voz de Lai Ching-te, primeiro-ministro taiwanês. O chefe do Governo formosino reafirmou a soberania da ilha e recusou a exigência feita por Pequim ao governo taiwanês, para que aceite que a ilha é parte da China de forma a evitar um conflito: “Se a China vê o Consenso de 1992 [Taiwan e China são parte de uma só China, com cada lado a manter a sua interpretação], como a única chave para o desenvolvimento dos laços entre os dois lados do estreito [de Taiwan], isso não será aceite por Taipé”, assegurou Lai, num discurso proferido perante o Parlamento formosino.

A mesma mensagem foi vincada pelo ministério taiwanês dos Negócios Estrangeiros. O organismo afirmou numa conferência de imprensa que Taiwan é um “país soberano e independente” e que não “baixará a guarda” face às intimidações vindas do exterior.

O Conselho de Assuntos da China Continental acusou Pequim de querer roubar da ilha os seus quadros qualificados, com políticas de incentivo para profissionais e empresas taiwanesas, que visam transferir capital, talento e tecnologia para a República Popular da China.

Xi Jinping assegurou que qualquer acção que vise dividir o país está condenada ao fracasso e prometeu salvaguardar a soberania e integridade territorial.

As relações entre Pequim e Taipé atravessam um período de renovada tensão, após a ascensão ao poder, em maio de 2016, da presidente taiwanesa Tsai Ing-wen, do Partido Democrata Progressista, pró-independência, e após Washington ter aprovado a Lei de Viagens a Taiwan, que autoriza a visita de altos funcionários norte-americanos à ilha.

Alex Wong, vice-secretário de Estado dos Estados Unidos da América encarregue da Ásia Oriental e Pacífico, encontra-se em Taiwan, e deve reunir-se em breve com Tsai Ing-wen.

Face à crescente intimidação diplomática e militar de Pequim, o chefe do Conselho Nacional de Segurança de Taiwan, Peng Sheng-chu, prevê uma deterioração dos laços e maior pressão por parte da China.

Peng assegurou recentemente no parlamento que “não descarta que a China tente arrebatar mais aliados diplomáticos à ilha” e que é também provável “o aumento de manobras militares chinesas próximo de Taiwan”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.