Preso por insultar a polícia no WeChat

Um homem de 39 anos foi detido no Continente, depois de ter partilhado com os amigos uma música em que se escutavam insultos à polícia de trânsito da República Popular da China. A detenção evidencia a crescente monitorização a que as autoridades chinesas submetem o ciberespaço.

Um cidadão da República Popular da China foi detido depois de ter feito reparos humorísticos sobre as forças de segurança do Continente num grupo de troca de mensagens instantâneas do aplicativo para telemóvel WeChat. A detenção ilustra a crescente vigilância a que as autoridades chinesas submetem o ciberespaço.

O alegado prevaricador, identificado como Ding, terá alterado alguns dos trechos de uma conhecida canção chinesa, trocando os versos originais por insultos à polícia de trânsito. O homem, de 39 anos, partilhou depois a criação com amigos através do Wechat.

Ding terá sido detido por um período indefinido, de acordo com o portal electrónico sixth tone. No ano passado, a Administração do Ciberespaço da China publicou novos regulamentos, que proíbem a difusão de rumores ou insultos nas redes sociais e terá sido ao abrigo da nova legislação que o homem foi detido. O regulamento estipula também que as empresas do sector devem verificar as identidades reais dos membros em grupos de conversação no espaço ‘online’.

Várias pessoas foram, entretanto, detidas ou condenadas à prisão no país por comentários em grupos ou conversas privadas no Wechat, sob a acusação de “causar distúrbios” ou “usar ilegalmente informação e a Internet”.

Num dos casos mais conhecidos, um homem foi condenado a dois anos de prisão por “perturbar as ordens administrativas para a actividade religiosa”, depois de ter ensinado o Alcorão a amigos e familiares através do Wechat.

O aplicativo – equivalente chinês à aplicação para mensagens de texto e voz WhatsApp – atingiu em Fevereiro passado mil milhões de perfis de utilizador, enquanto o Weibo – semelhante à rede de mensagens instantâneas Twitter – tem cerca de 200 milhões.

A China censura, recorde-se, redes sociais como o Facebook, o Twitter e o Instagram, ou o serviço de mensagens Whatsapp.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.