Rotas das Letras debate papel dos rios no desenvolvimento urbano

A iniciativa é impulsionada pela arquitecta Maria José de Freitas. A conferência de pendor académico tem como objectivo de analisar o papel dos rios como rotas, espaços de comunicação e diálogo, disse a arquitecta à agência Lusa.

O papel dos rios como “as primeiras rotas de progresso e difusão” vai estar hoje em debate numa conferência que integra o cartaz do Festival Literário de Macau, disse esta quinta-feira à agência Lusa a promotora do certame, a arquitecta Maria José de Freitas.

“O objectivo desta conferência é analisar o papel dos rios como rotas, espaços de comunicação e diálogo, tendo como ponto de partida a cidade de Macau e outras cidades asiáticas”, explicou a responsável. Um dos aspectos em foco é também o papel das cidades costeiras no diálogo entre Ocidente e Oriente.

Os oradores, todos provenientes de cidades litorâneas, vão analisar os desafios e oportunidades históricas e a projecção futura, tendo em vista o projecto do Pan-delta do rio das Pérolas, entre nove províncias da região – Fujian, Jiangxi, Hunan, Guangdong, Guangxi, Hainan, Sichuan, Guizhou, Yunnan – e as duas Regiões Administrativas Especiais de Macau e de Hong Kong, criado em 2004.

“É importante situar Macau neste contexto, que não é apenas económico, mas também cultural, e perspectivar o futuro”, disse a organizadora. Maria José de Freitas destaca a intervenção de Wallace Chang Ping Hung, professor associado da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Hong Kong, sobre aquele projecto.

Em declarações à agência Lusa, Maria José de Freitas destacou ainda a intervenção de Xu Ying sobre a experiência da cidade de Wuhan, na província chinesa de Hubei, focada na proteção do património e da sua reutilização em termos contemporâneos: “Wuhan está no delta de quatro rios e está a recuperar o património e herança de influência francesa, o que nos pode levar a refletir sobre as zonas do porto interior e exterior de Macau”, defende.

Ao mesmo tempo estará patente uma exposição de desenhos, fotografias e mapas antigos sobre a evolução de Macau e a relação com o rio das Pérolas.

Um conjunto de desenhos do arquitecto português Manuel Vicente, feitos nos anos de 1980, por altura da elaboração do plano da baía da Praia Grande, que abriu uma nova frente de expansão da cidade “mas que está ainda por desenvolver plenamente”, indicou a arquiteta, explicando que este projecto será abordado por João Palla, que trabalhou com Manuel Vicente.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.