Hato: Dez anos para recuperar áreas florestais

O plano de reflorestação das áreas devastadas pelo Hato, em Agosto último, só deve avançar em 2019 e estar concluído dez anos depois. O Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais vai introduzir quinze espécies diferentes de árvores, com uma maior capacidade de resistir ao impacto dos tufões.

Deverão ser necessários pelo menos dez anos para que as zonas verdes da Taipa e de Coloane estejam completamente restabelecidas e o perímetro florestal de ambas as ilhas recupere a vitalidade que tinha antes da passagem do tufão Hato pelo território, a 23 de Agosto do ano passado.

A estimativa foi esta sexta-feira adiantada pelo Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, noticiou a emissora em língua portuguesa da Rádio Macau. O Governo vai plantar um milhar de árvores nos trilhos da Taipa e de Coloane no âmbito da edição de 2018 da Semana Verde, mas o plano de replantação das zonas de floresta só deverá arrancar em 2019, de acordo com a mesma fonte.

O Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais vai introduzir quinze espécies de árvores diferentes.

O projecto foi delineado com o apoio de especialistas da vizinha província continental de Guangdong, ainda que o IACM já tenha conduzido intervenções no perímetro florestal das ilhas. O organismo liderado por José Tavares tinha como prioridade imediata recuperar a paisagem num raio de dez metros ao redor dos trilhos que cruzam a Taipa e Coloane.

O plano de reflorestação esta sexta-feira apresentado, e que só em 2029 devem estar concluídos, prevê a plantação de quinze espécies diferentes de árvores, com características – raízes mais profundas e copas mais pequenas – que indiciam uma maior resistência a tufões.

A tempestade destruiu ou danificou cerca de meio milhão de árvores nas áreas florestais da Taipa e de Coloane e afectou outras vinte mil nas zonas urbanas. Até ao momento, o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais já removeu 3500 árvores nas áreas urbanas e durante o corrente ano tenciona plantar duas mil novas árvores nos jardins e áreas de lazer.

O território tem actualmente mais de 550 árvores antigas: nove não resistiram à fúria do Hato e outras 35 foram danificadas pela tempestade.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.