Madagáscar: Detido suspeito da morte de doze lémures

As autoridades de Antananarivo estimam que existam pouco mais de dez mil lémures em estado selvagem em toda a ilha.

Os cadáveres dos animais foram descobertos a 28 de Fevereiro numa reserva natural do centro-leste do país. As autoridades de Madagáscar estimam que existam, em toda a ilha, pouco mais de dez mil lémures em estado selvagem.

As autoridades de Madagáscar anunciaram esta quarta-feira a detenção de um alegado caçador furtivo na sequência de uma descoberta macabra, na região de Andasibe, no centro-leste do país. A 28 de Fevereiro, guardas florestais encontraram os cadáveres de doze lémures na reserva natural de Antavolobe Iaroka. Vistos como uma imagem de marca de Madagáscar, os lémures são também uma espécie criticamente ameaçada de extinção
“Detivemos uma pessoa e identificamos o local onde se escondem dois outros caçadores furtivos”, adiantou, durante uma conferência de imprensa, a ministra do Ambiente do país, Johanita Ndahimananjara.
Os lémures “não são apenas atracções turísticas ou factores que contribuem para o equilíbrio do nosso esossistema. São antes de mais seres vivos e são seres vivos quue contribem para a preservação da nossa floresta”, defendeu Ndahimananjara, na sequência de uma reunião em que foram discutidas estratégias de combate e disuasão da caçada furtiva.
Os lémures são um dos mais emblemáticos animais da bacia do Oceano Índico, mas questões como a perda de habitat e a caça furtiva fizeram com que o número de exemplares em estado selvagem tenha caído para pouco mais de dez mil. A carne de lémur é muito procurada nas zonas rurais e vendida clandestinamente a restaurantes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.