Macau: Trinta quilómetros quadrados, 650 mil almas

A RAEM encerrou o ano de 2017 com uma população de 653.100 pessoas, mais 8200 do que em 2016. A taxa de natalidade diminui durante o ano passado, mas o mesmo sucedeu também com a taxa de mortalidade.

Seiscentas e cinquenta e três mil e cem almas. A população de Macau superou em 2017 a barreira das 650 mil pessoas, revelam dados oficiais divulgados esta terça-feira pela Direcção dos Serviços de Estatísticas e Censos.
Durante os doze meses do ano passado, Macau ganhou 8200 pessoas. A população feminina, comprovam os dados apresentados peloa DSEC, representou 53 por cento do total da população do território, ao passo que os idosos constituíam uma fatia de 10,5 por cento da população, uma fasquia que representa um aumento de 0,7 por cento face a 2016.
Num território onde o peso da população idosa se prefigura como um dos grandes desafios em termos demográficos, o índice de envelhecimento foi de 83 por cento, mais 4,1 pontos percentuais em termos homólogos anuais, o que significa que a população está a envelhecer a ritmo elevado.
A população adulta, que abrange os habitantes com idades compreendidas entre os 15 e os 64 anos, representava no final do ano passado 76,7 por cento do total, menos um ponto percentual do que no final de 2016.
No ano passado, o número registado de nados vivos foi de 6529, menos 617 nascimentos do que em 2016.
A taxa de natalidade não foi a única a cair, com os óbitos a baixarem também em 2017: no ano passado morreram 2120 pessoas em Macau, menos 127 do que em 2016. Os tumores malignos foram a principal causa de morte no território (726), correspondendo a 34 por cento do total. As mortes por gripe e pneumonia (317) e por doenças do coração (199) representaram, respectivamente, 15 por cento e 9,4 por cento do total, tendo aumentado 1,8 e 1,3 pontos percentuais, respectivamente, em termos anuais.
No final do ano passado, a mão-de-obra importada era composta por 179.456 trabalhadores, ou seja, mais 1.818 do que em 2016. O sector da construção continuou a registar uma descida do número de trabalhadores não-residentes, menos 12,8 por cento, sendo este o terceiro ano consecutivo em que se registaram quedas, devido à conclusão de empreendimentos de entretenimento e edifícios de habitação de grande envergadura, referiu a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos. O organismo revelou ainda que, em 2017, foram autorizados a residir em Macau 1.527 indivíduos, mais 80 pessoas em termos anuais.
O número de casamentos foi de 3.883, muito semelhante ao de 2016 (3.891), tendo sido registados 1.479 divórcios, mais 234 em termos anuais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.