Adelson e Lui Che-woo entre os cinquenta mais ricos do mundo

Sheldon Adelson ocupa o lugar número 21 na lista dos mega-ricos compilada pela Forbes.

Os magnatas da indústria do jogo possuem, respectivamente, a 21ª e a 50ª maior fortuna do mundo. A lista dos mega-ricos é liderada pelo patrão da Amazon, que se tornou o primeiro bilionário a liderar o ranking com uma fortuna superior a cem mil milhões de dólares.

Dois magnatas com ligações à indústria do jogo do território integram a lista dos cinquenta titulares das maiores fortunas do mundo. O presidente do grupo Las Vegas Sands, Sheldon Adelson, possui a 21ª maior fortuna do planeta. Já o empresário Lui Che Woo encerra a contagem dos cinquenta mais ricos do mundo, com uma fortuna avaliada pela revista Forbes em 20,1 mil milhões de dólares.
O fosso entre os muito ricos e os circunstancialmente afortunados continua a alargar-se, com as chamadas grandes fortunas a atingirem máximos históricos. Na lista, compilada pela revista Forbes, dos mais ricos do mundo cabem este ano 2 208 bilionários, divididos por 32 categorias diferentes. No total, as 2 208 fortunas consideradas pela Forbes, valem a assombrosa soma de 9,1 biliões de dólares, mais 18 por cento do que há um ano. As 20 pessas mais ricas do mundo valem qualquer coisa como 1,2 biliões de dólares, um montante equivalente ao Produto Interno Bruto do México. Ainda que representem menos de um por cento do total das grandes fortunas avaliadas pela Forbes, os vinte mais ricos do planeta possuem 13 por cento do dinheiro que se encontra nas mãos dos bilionários escrutinados pela publicação.
Jeff Bezos, o patrão da Amazon, é quem lidera a lista, tornando-se no primeiro magnata com mais de cem mil milhões de dólares – 112 mil milhões – a liderar o ranking dos mais ricos do mundo. As acções do gigante do comércio electrónico que lidera subiram 59 por cento em doze meses, fazendo com a sua fortuna se expandisse 39,2 mil milhões de dólares no último ano. Trata-se do maior ganho anual registado pela Forbes desde que a revista começou a seguir o rasto das grandes fortunas em 1987. Com tanto dinheiro amealhado, Bezos destronou Bill Gates, com o co-fundador da Microsoft a ceder a liderança da tabela pela sexta vez desde 1995.
Para o bilionário francês Bernard Arnault, 2017 também foi um ano de boa memória. O dono da LVHM, a empresa proprietária de marcas como a Louis Vuitton ou a Hennessy, viu a sua fortuna crescer 30,5 mil milhões de dólares, muito graças à aquisição de uma parte esmagadora do capital da Christian Dior. Arnault é o homem mais rico da Europa pela primeira vez desde 2012 e o quarto mais rico do mundo.
Dois empreendedores do sector tecnológico da República Popular da China entraram pela primeira vez no top-20 da lista compilada pela Forbes. Ma Huateng, também conhecido como Pony Ma, ocupa a 17ª posição da tabela, mas é o homem mais rico da Ásia, muito graças ao sucesso do We Chat, uma aplicação de mensagens instantâneas com quase mil milhões de utilizadores activos. A Tencent, empresa liderada por Ma, possui participações na Tesla e em empresas como o Snapchat ou o Spotify. Jack Ma, dono do gigante do comércio electrónico Alibaba, cujas acções conheceram uma valorização de 76 por cento no período de um ano, ocupa agora a vigésima posição no ranking da Forbes.
A publicação dá conta da estreia de 259 novos bilionários no ranking. Os estreantes fizeram fortuna em sectores como a aviação privada, a indústria aerospacial ou a produção de vestidos de casamento. Oitenta e nove dos novos milionários são oriundos da República Popular da China e 18 dos Estados Unidos. A primeira economia mundial contina a ser a que contribui com mais bilionários parra a lista, com um total de 585, ao passo que no espaço da Grande China (República Popular, Hong Kong, Macau e Taiwan) exisem 476.

Donald Trump perdeu 400 milhões de dólares no período de um ano.

Na lista compilada este ano pela Forbes pontificam bilionários de 72 países e territórios, incluíndo a estreia de representates da Hungria e do Zimbabwe. Surpreendentemente, um país não está este ano representado: a Forbes decidiu deixar de fora da contagem dez bilionários sauditas que viram os seus bens confiscados por Mohammed Bin Salman, o príncipe herdeiro saudita.
Se é verdade que a maior parte dos bilionários escrutinados pela revista viram a sua fortuna crescer ao longo dos últimos doze meses, casos há em que 2017 foi um ano de má memória: 16 por cento das fortunas avaliadas pela Forbes recuaram ao longo do último ano. O presidente norte-americano, Donald Trump, foi um dos perdedores mais notáveis, com a sua fortuna a cair 400 milhões de dólares desde Março de 2017 para os 3,1 mil milhões de dólares. Trump é agora o 766º homem mais rico do mundo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.