Sudan, o solitário. Animal e espécie às portas da extinção

É o último rinoceronte-branco-do-norte macho do mundo e já conheceu melhores dias. Aos 45 anos, o estado de saúde de Sudan é crítico. Com o desaparecimento do animal pode desaparecer também uma das espécies mais emblemáticas da savana africana.

Chama-se Sudan, tem 45 anos e é o último rinoceronte-branco-do-norte macho do mundo. Com uma sáude débil, o animal tem a vida por um fio e com o seu eminente desaparecimento, anuncia-se também a extinção de uma das mais emblemáticas espécies de grandes mamíferos africanos.
A notícia de que o estado de saúde de Sudan já conheceu melhores dias foi avançada na semana passada pelo Centro de Conservação de Ol Pejeta, situado no centro do Quénia.
O animal, que recuperou recentemente de uma infecção contraída no final de 2017 na pata anterior direita, foi diagnosticado com uma outra maleita mais severa, adiantaram os responsáveis do Centro: “Sentimos que é importante informar-vos que Sudan, o último rinoceronte-branco-do-norte macho do pleneta, começa a mostrar sinais de enfraquecimento”, informou o organismo através do Tweeter.

Eis Sudan, o último baluarte da espécie.

Apesar dos responsáveis pelo Centro de Conservação terem mobilizado todos os meios para tratar a segunda infecção, Sudan está a demorar mais tempo a responder ao tratamento, o que leva os responsáveis por Ol Pejeta a temerem pelo pior: “Estamos muito preocupados. É uma anima extramente idoso e não queremos que ele sofra de forma desnecessária”, sublinharam os responsáveis pelo Centro.
Em Dezembro, uma equipa de veterinários e de outros especialistas do Quénia, da República Checa, do Reino Unido e da África do Sul trataram o animal, depois de o terem sumetidoo a um check up geral.
Para além de Sudan, no Centro de Conservação de Ol Pejeta vivem ainda duas fémeas de rinoceronte-branco-do-norte. Como Sudan é demasiado idoso para acasalar, o única hipótese de salvar a espécie do que parece ser a inevitabilidade da extinção é através de inseminação artificial, mas a solução nunca foi testada em rinocerontes.
Sudan tornou-se conhecido depois dos responsáveis por Ol Pejeta terem lançado uma campanha no Tinder com o propósito de angariar nove milhões de dólares norte-americanos, o montante necessário para que a inédita técnica de fertilização possa ser desenvolvida.
“Estamos a fazer o possível e o impossível para o ajudar a recuperar a sua saúde”, adiantaram os responsáveis pela reserva, assegurando ao mesmo tempo que Sudan está a ser acompanhado ao minuto.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.