“Para os dissidentes, a ANP é como que um purgatório”

Quem o diz é Hu Jia, destacado defensor dos direitos humanos que foi obrigado a radicar-se em Zhongshan durante o período pelo qual se prolonga a reunião anual da Assembleia Nacional Popular. Hu não foi o único activista a ser expulso de Pequim, numa decisão que tem por objectivo impedir que a coroação de Xi Jinping como presidente vitalício da China seja perturbada.

Com o início dos trabalhos da sessão anual da Assembleia Nacional Popular tiveram também início as “férias forçadas” a que são obrigados muitos activistas chineses. Tidos como “personas non gratas”, os crítico do regime são aconselhados pelas autoridades chinesas a ausentar-se de Pequim, de forma a não importunar a reunião do principal orgão consultivo da República Popular da China. A Assembleia Nacional Popular discute desde ontem a reforma da Constituição que deverá permitir que Xi Jinping se torne presidente vitalício.
“Para os dissidentes, a ANP é como que um purgatório”, explicou hoje à agência Efe por via telefónica o destacado defensor dos direitos humanos Hu Jia. O activista foi obrigado pelas autoridades a radicar-se em Zhongshan, na vizinha província de Cantão, até ao próximo dia 22 de Março, dia em que termina o plenário anual da Assembleia Nacional Popular.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.