Estado de emergência declarado no Sri Lanka

O Governo do Sri Lanka declarou esta terça-feira o estado de emergencia depois do centro da ilha ter sido palco de violentos confrontos entre budistas e muçulmanos. A vaga de violência resultou na morte de duas pessoas, em dezenas de detenções e em mais de uma vintena de negócios queimados.

O Governo do Sri Lanka declarou esta terça-feira o estado de emergência, com o objectivo de contar os violentos confrontos entre budistas e muçulmanos em que está mergulhado o centro do país desde o fim-de-semana.
A medida promovida pelo Governo de Colombo é válida por dez dias e segue-se à decisão, tomada na segunda-feira, de promover o recolher obrigatório na região de Kandy, onde irromperam os desacatos.

Os confrontos entre budistas e muçulmanos irromperam na região de Kandy, uma das zonas mais turísticas do antigo Ceilão.

Vários estabelecimentos comerciais e imóveis pertencentes a muçulmanos foram incendiados nas imediações de Kandy, de acordo com os números avançados pela polícia cingalesa. As forças de segurança da ilha reconheceram que a situação no terreno se está a complicar de hora para hora. Na segunda-feira, as autoridades procederam à detenção de 24 pessoas na sequência dos confrontos que opuseram polícias e manifestantes nas ruas de Kandy. Os insurgentes fizeram atearam fogo a barricadas feitas com pneus e as forças da ordem responderam com o lançamento de gás lacrimogéneo, numa tentativa de fazer dispersar grupos de ambas as comunidades.
O Executivo de Colombo anunciou esta terça-feira, após uma reunião do Conselho de Ministros, a decisão de declarar o estado de emergência em todo o território cingalês com o propósito de manter a ordem no país. O Governo anunciou ainda o envio de mais efectivos das forças policiais para a região de Kandy com o objectivo de impedir uma escalada de violência na região: “Também se decidiu que serão tomadas medidas severas contra as pessoas que estão a instigar à violência através do Facebook”, disse à agência Reuters o porta-voz do Governo, Dayasiri Jayasekara.
Na origem dos confrontos entre muçulmanos e budistas esteve a morte de um membro da comunidade budista às mãos de vários seguidores do islão numa richa que irrompeu na localidade de Theldeniya. Após o funeral da vítima, novos focos de violência irromperam em várias aldeias e cidades vizinhas.
Os budistas constituem cerca de 75 por cento da população do Sri Lanka, ao passo que os muçulmanos são pouco mais de dez por cento do total da população. Entre ambas as comunidades persiste uma rivalidade histórica que desembocou em violência religiosa e étnica por mais do que uma ocasião.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.