Homenagem a Karl Marx no XXIX Festival de Artes de Macau

A peça “Mulheres de Tróia” , do dramaturgo japonês Tadashi Suzuki, é um dos grandes destaques do XXIX Festival de Artes de Macau.

Um concerto de fado, protagonizado pela Orquestra Chinesa de Macau, encerra, no mês de Maio, a edição de 2018 do Festival de Artes de Macau, um certame que este ano é subordinado ao tema “origem”.
O programa do XXIX Festival de Artes foi esta terça-feira apresentado e abrange um total de 26 espectáculos e iniciativas culturais. Portugal está representado no certame, que decorre entre 27 de Abril e 31 de Maio, por “Parasomnia”, uma concretização da artista Patrícia Portela inspirada no ensaio “Sobre o sono, o despertar e a ausência de sonhos”, escrito por Acácio Nobre em 1890. O espectáculo junta cenografia, imagem, literatura e filosofia.
As artes de palco portuguesas estão ainda representadas pela Associação de Artes e Cultura Comuna de Pedra, que traz ao território a peça “Murmúrio de Paisagem”.
A edição número 29 do Festival de Artes junta num mesmo programa produçóes locais, nacionais e internacionais. O certame abre com a peça “Das Kapital”, uma ousada produção do Centro de Artes Dramáticas de Xangai, que se propôs levar ao palco o clássico de Karl Marx para assinalar o 200.º aniversário do nascimento do “apóstolo” do comunismo. A encenação conta com elementos próprios do território.
Em destaque na programação do Festival de Artes está também a peça “Mulheres de Tróia”, do japonês Tadashi Suzuki. A obra versa sobre a miséria e a desolação do Japão no pós-guerra. Da Coreia do Sul chega a companhia Sadari Movement Laboratory, com uma adaptação de “O Processo”, de Franz Kafka.
No capítulo das artes de palco, destaque ainda para “Pôr-do-Sol nos Estaleiros”, pela Associação Teatro dos Sonhos, que conta a história da indústria local de construção naval, “Migrações”, do Teatro Experimental de Macau, e “Júlia Irritada”, pelo grupo de Singapura Nine Years Theatre, tendo por base a peça homónima do dramaturgo sueco August Strindberg-
Destaque, como não podia deixar de ser, para o teatro em patuá pelo grupo Dóci Papiaçám di Macau. O grupo, liderado por Miguel de Senna Fernandes, propõe-se escrutinar os principais assuntos da cidade em “Qui di Tacho?” (Que é do Tacho?).
Actividades para toda a família, palestras, seminários e a exposição “Mar Chagall, Luz e Cor no Sul de França”, no Museu de Arte de Macau, completam o programa, disponível na integra no portal electrónico do Instituto Cultural na Internet.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.