Myanmar. Aung San Suu Kyi alvo de novas acusações

Fotografia:Alexander Schimmeck/Unsplash

Um tribunal da antiga Birmânia  apresentou esta segunda-feira uma nova acusação de “incitamento” contra a líder deposta do país, Aung San Suu Kyi, um dia após de vários manifestantes terem sido mortos em protestos em vários pontos do país.

Suu Kyi, de 75 anos, que se encontra detida desde o dia do golpe, compareceu por videoconferência no tribunal da capital Nayipidaw, confirmou o seu advogado, Khin Maung Zaw, à Agência Efe.

A vencedora do Prémio Nobel da Paz foi acusada a 3 de Fevereiro de importação ilegal de um aparelho telefónico e 14 dias depois de um crime relacionado com a lei de desastres naturais.

O advogado especificou que podia ouvir a voz de Suu Kyi desde a porta do tribunal e que a mesma nova acusação foi também feita contra o presidente deposto, Win Myint.

As novas acusações surgem  num dia em que a população de Myanmar voltou às ruas para protestar contra o golpe e exigir a libertação de Suu Kyi e dos restantes detidos.

A polícia lançou esta segunda-feira bombas de gás lacrimogénio nas ruas de Rangum, a antiga capital e a cidade mais populosa, enquanto diversos meios de comunicação locais deram conta do destacamento de soldados no terreno em apoio aos agentes.

A Associação para a Assistência aos Prisioneiros Políticos (AAPP) em Myanmar indicou na sua última actualização que durante o domingo houve mortes pelo menos nas cidades de Rangum, Mandalay, Dawei, Bago, Magwe, Pakokku e Kyaukse. Duas centenas de pessoas ficaram feridas.

Com as mortes de domingo, as vítimas com a violência desencadeada após o golpe militar aumentam para 30, de acordo com dados da AAPP.

O Relator Especial das Nações Unidas para Myanmar, Tom Andrews, condenou a violência e pediu uma acção mais severa contra o Exército, incluindo sanções específicas e coordenadas contra os responsáveis pelo golpe e contra empresas dos militares, além de um embargo global de armas contra o país.

De acordo com a AAPP, 1.132 pessoas, entre políticos, ativistas e manifestantes, foram detidas desde 1 de Fevereiro, 833 das quais continuam presas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.