Ocultação de viagens a Qingdao deixa Macau em alerta

As autoridades de Macau estão em alerta depois de terem tomado conhecimento que dois residentes que estiveram na cidade continental de Qingdao, onde foi detectado recentemente um surto de transmissão local da Covid-19 associada a caixas de bacalhau congelado não notificaram as autoridades quando regressaram ao território.

O surto na cidade setentrional chinesa foi detectado a 11 de Outubro e colocou um ponto final a quase dois meses sem infecções locais na República Popular da China. Qingdao, uma importante cidade portuária do norte da China, somou um total de 13 casos confirmados e um assintomático, procedente do Reino Unido.

A Direcção dos Serviços de Saúde informou esta quarta-feira que impôs uma quarentena obrigatória de 14 dias, na terça-feira, a um residente de Macau que ocultou ter visitado a cidade de Qingdao: “No passado dia 15 de Outubro, os Serviços de Saúde receberam uma denúncia através de correio electrónico alertando que alguém tinha publicado nas redes sociais uma fotografia de uma viagem recente à cidade de Qingdao apesar de se encontrar no território, o que poderia indiciar que esta pessoa teria ocultado, na declaração de saúde à entrada de Macau, o facto de ter estado nos últimos 14 dias na cidade de Qingdao, contornando, assim, as medidas de observação médica de isolamento decretadas pelos Serviços de Saúde”, lê-se numa nota hoje publicada.

O infractor  – um residente de Macau de 35 anos – assumiu que se deslocou aquela cidade do Continente entre 9 e 13 de Outubro. As autoridades de Macau impuseram a obrigatoriedade de observação médica por um período de 14 dias em locais designados, a partir das 00:00 horas do dia 13 de outubro de 2020, “a todos os indivíduos que nos 14 dias anteriores à entrada em Macau tenham estado” em Qingdao.

“De acordo com o art. 10.º e art. 30.º da Lei n.º 2/2004 – Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis, ao entrarem na RAEM, as pessoas devem prestar declarações de saúde com fidelidade, os infractores são punidos com pena de prisão até 6 meses ou com pena de multa até 60 dias”, lembraram os Serviços de Saúde, na mesma nota de imprensa.

Médico omitiu informação

Os Serviços de Saúde já tinham emitido uma outra nota às primeiras horas da manhã em que davam conta  de que um médico do quadro clínico do hospital público se deslocou à “cidade de Qingdao e conforme as normas de prevenção epidémica, não revelou o seu código de saúde no trabalho nem declarou ao seu superior hierárquico a situação”.

Ainda que o médico – um cirurgião plástico – tenha estado em Qingdao entre 25 de Setembro e 5 de Outubro de 2020 (antes do surto ser detectado) o profissional de saúde não declarou a sua ida à cidade chinesa na aplicação móvel de saúde obrigatória à entrada dos serviços públicos, nem notificou o hospital: “De acordo com as normas de gestão em vigor, este médico devia ter declarado a sua situação à chefia, de modo a que o trabalho fosse reajustado e devia ter realizado uma autogestão de saúde. Contudo este cirurgião além de não ter declarado a situação à chefia, conforme está estabelecido, continuou o seu trabalho clínico, nem apresentou o código de saúde diário, no momento da entrada no serviço”, informa o organismo no comunicado.

O médico fez dois testes de ácido nucleico que deram negativo à covid-19.

“Como uma medida preventiva, o hospital solicitou ao médico a suspensão do seu trabalho, a submissão a observação médica por 7 dias, tendo em simultâneo dado início a uma investigação interna ao clínico. Os profissionais de saúde e os doentes com quem o médico contactou foram submetidos a testes de ácido nucleico virais, bem como, foi já realizada uma avaliação de risco”, remata a Direcção de Serviços de Saúde.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.