França. Ministério Público pede três anos de prisão para motorista responsável por acidente de Macon

O Ministério Público francês solicitou esta semana uma pena de prisão com execução suspensa por um período de três anos para o motorista português que conduzia o autocarro que se despistou numa estrada em França em 2017. No acidente morreram quatro cidadãos portugueses que se encontravam emigrados na Suiça e outros 28 passageiros ficaram feridos.

O despiste ocorreu a 8 de Janeiro de 2017. Mais de três dezenas de portugueses residentes na Suíça e que regressavam ao país alpino depois de terem estado de férias em Portugal, viajavam no autocarro de 40 lugares a caminho de Genebra quando a viatura saiu de estrada. A rodovia em questão é um eixo que atravessa a França de leste a oeste e que é apelidado de “estrada da morte” devido ao seu elevado grau de perigosidade.

O procurador salientou “a acumulação de culpas pessoais do condutor”, Henrique Beiroto Angelo, um português de 44 anos que responde pelos crimes de homicídio involuntário e de ferimentos involuntários perante o tribunal criminal de Macon, cidade situada no leste França.

O Ministério Público francês exige ainda uma multa de 100.000 euros a cada uma das duas pessoas colectivas envolvidas no processo: as empresas Angelo Taxi e Rota das Gravuras, que são respectivamente a proprietária do autocarro e a empresa de transportes. As duas organizações foram processados por homicídio involuntário e lesões involuntárias por parte de pessoas coletivas.

O procurador do Ministério Público considera que existiu “má conduta profissional por parte de pessoas colectivas, com base na má manutenção do autocarro e do reboque”.

Antes do acidente ter acontecido, o autocarro viajava a quase 90 quilómetros/hora, uma velocidade considerada excessiva por causa do gelo que se forma na região em Janeiro. Pouco antes de sofrer o despiste, o veículo chegou a circular a 101 quilómetros por hora, de acordo com os relatórios dos peritos analisados pelo Tribunal.

As análises também destacaram como eventuais causas da tragédia o peso do reboque de bagagem, que teria abrandado a travagem, bem como o excesso de ar dos pneus. A sentença será conhecida no próximo dia 25 de Novembro.

O condutor e o seu pai, Narciso Ângelo, o representante legal dos dois arguidos, não estiveram presentes no julgamento.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.