Fotografias de Hong Kong aceleram fim do World Press Photo em Macau

Tinha a data de encerramento prevista para 18 de Outubro, mas acabou por fechar em termos definitivos no fim-de-semana. A exposição da World Press Photo, que reúne os melhores trabalhos de fotojornalismo referentes ao ano de 2019, estava patente ao público na Casa Garden. O fecho da exposição, noticia a Rádio Macau, poderá estar relacionado com a exibição de registos fotográficos das manifestações que abalaram Hong Kong no ano passado.

A Casa de Portugal, entidade responsável pela promoção do evento em Macau, justificou o encerramento prematuro da mostra com “problemas de gestão interna”. Em declarações à emissora em língua portuguesa da Rádio Macau, a presidente da maior das associações de matriz portuguesa da RAEM não elaborou sobre a natureza dos problemas, mas confirmou que a exposição se encontra “encerrada desde o fim-de-semana”.

A Rádio Macau adianta que o fecho da mostra duas semanas antes do previsto, a 18 de Outubro, poderá estar relacionado com a inclusão no certame de trabalhos fotográficos alusivos aos protestos que durante mais de meio abalaram a Região Administrativa Especial de Hong Kong na segunda metade de 2019.

A exposição, que se realizava em Macau há mais de uma década, era financiada pela Fundação Macau. O organismo liderado por Wu Zhiliang nega que tenha exercido qualquer tipo de pressão sobre a Casa de Portugal para que a mostra fosse encerrada antes do originalmente previsto: “Da nossa parte não houve nada”, garante o presidente da Fundação Macau em declarações à emissora em língua portuguesa da Rádio Macau.

Os instantâneos sobre os protestos em Hong Kong foram distinguidas numa das principais categorias dos prémios de fotojornalismo distribuídos anualmente pela Fundação World Press Photo.

Sobre a emblemática exposição pairava já o fantasma da incerteza. Antes da abertura da mostra, a 25 de Setembro, Amélia António tinha anunciado que este seria o último ano que o certame visitava Macau. A presidente da Casa de Portugal justificou na altura a decisão de não promover a mostra em 2021 com as mudanças na atribuição de subsídios por parte da Fundação Macau.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.