Suicídio de chef japonês agita altas esferas da gastronomia francesa

O chef japonês Taku Sekine, figura em ascensão nas altas esferas da gastronomia parisiense, cometeu suicídio após ser alvo de acusações de agressão sexual por parte de um portal especializado. O teor das acusações foi repudiado pela família de Sekine.


Os familiares do chefe japonês anunciaram com “profunda dor” a morte do chef, de 39 anos, num comunicado publicado na noite de terça-feira no Twitter.
Discípulo do celébre chef francês Alain Ducasse, Taku Sekine estava à frente de dois restaurantes da capital: o Dersou, premiado com o prémio para “A melhor mesa de 2016”, atribuído pelo popular guia Fooding, e o Cheval d’Or, alvo de notáveis críticas pela sua cozinha de fusão franco-japonesa.
Sekine “cometeu suicídio após uma grave depressão seguida da acusação pública de que foi alvo(…) com uma recorrência comparável ao que pode ser definido como uma verdadeira crueldade”, afirma o comunicado da família. O comunicado destaca que Taku Sekine “nunca foi alvo de qualquer denúncia”.
Franck Pinay-Rabaroust, fundador do portal especializado Atabula, que publicou uma reportagem chamada “Violência sexual na cozinha”, defendeu as condições em que esta foi realizada: “O nome de Taku Sekine foi citado várias vezes, por fontes diferentes, que deram conta de procedimentos muito semelhantes. Entrei em contacto com muitas pessoas, das quais algumas faziam parte do círculo mais próximo de Taku Sekine, para cruzar ao máximo as informações. Os factos em questão ganhavam consistência à medida que a investigação avançava”, escreveu Pinay-Rabaroust.
A sua “morte é dramática para a sua família (…) e para toda uma profissão que chora a morte de um chef jovem que integrava a nova geração. As reacções estão à altura da tragédia, brutais. Infelizmente, não haverá julgamento para Taku Sekine. É necessário lamentar”, concluiu.
O portal Atabula publicou, na terça-feira, um novo artigo em que afirma que outro chef francês, Guy Martin, com duas estrelas Michelin, foi acusado de uma tentativa de violação por uma mulher.
As acusações, que se referem a factos supostamente ocorridos em 2015, não têm “nenhum fundamento”, reagiu nesta quarta-feira no Twitter o chef do restaurante parisiense Le Grand Véfour.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.