Hong Kong. Polícia prende dezenas para evitar protestos

A polícia de intervenção da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong que patrulhava a rota de uma marcha antigovernamental prendeu dezenas de pessoas esta quinta-feira, impedindo a multidão de se reunir enquanto a chefe do Executivo da antiga colónia britânica , Carrie Lam, louvava  o “regresso à estabilidade” no âmbito das comemorações do 71º aniversário da República Popular da China.

A polícia foi vista a prender mais de meia centena de pessoas no centro e a amarrar os seus pulsos com algemas de plástico antes de as colocar em autocarros. As forças de segurança do território vizinho disseram no Facebook que estão à procura de dois homens que atiraram cocktails molotov para impedir o tráfego noutra área da cidade.

Os manifestantes queriam marchar contra a imposição, por parte de Pequim, da  draconiana  lei de segurança nacional  a que o antigo território britânico está sujeito desde o dia 30 de Junho. Os manifestantes exigiram ainda que 12 residentes de Hong Kong que foram detidos pelas autoridades chinesas em Agosto, quando tentavam chegar a Taiwan, sejam detidos.

“É o Dia Nacional da China, mas também o da morte de Hong Kong”, defende Jay, uma mulher vestida de preto, o traje de protesto adoptado pelos residentes da cidade, ao passar nas imediações da polícia.”O povo de Hong Kong está sob muita pressão, mas temos que tentar continuar a lutar pelas nossas liberdades”.

Centenas de agentes da polícia realizaram revistas e mandaram embora qualquer pessoa considerada suspeita. Entre estes últimos estava um adolescente que tocava canções de protesto num instrumento de sopro, um homem vestido de preto com um balão amarelo –  cores associadas a manifestantes pró-democracia – e uma mulher que segurava uma cópia do tabloide pró-democracia Apple Daily.

O regresso da estabilidade, segundo Lam

Às primeiras horas da manhã, Carrie Lam marcou presença na cerimónia do içar  da bandeira com outras membros do Governo e com representantes da China continental. A cerimónia realizou-se, como habitualmente, no centro de convenções da cidade. O edifício estava esta manhã cercado por agentes da polícia e por barreiras de segurança.

“Ao longo dos últimos três meses, a verdade simples é –  e é óbvia de ver – que a estabilidade foi restaurada ao mesmo tempo que a segurança nacional foi salvaguardada, e nosso povo pode continuar a desfrutar dos seus direitos e das suas liberdades básicas”, disse Lam.

Na noite de quarta-feira, a polícia disse ter detido cinco pessoas por incitarem a participação em assembleias ilegais através da Internet.

Os protestos antigoverno, que se tornaram violentos muitas vezes em 2019, têm sido menores e menos frequentes neste ano devido às restrições adoptadas por causa do coronavírus, mas também pelos receios de prisão causados pela lei de segurança nacional.

Quatro membros da Liga de Social Democratas, liderada pelo activista Leung Kwok-hung, conhecido como “Long Hair”, marcharam erguendo um cartaz que dizia “Não existe dia de comemoração nacional, só de luto nacional”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.