Cartões de consumo. Pagamentos já movimentaram dois mil milhões de patacas

As transacções efectuadas no território no âmbito da segunda fase do plano de comparticipação através de cartões de consumo atingiram cerca de dois mil milhões de patacas em pouco mais de dois meses, anunciou esta terça-feira a Autoridade Monetária.

Uma das medidas do Governo de Macau de combate à crise causada pela pandemia da Covid-19 passou pela entrega de cartões electrónicos aos residentes, no âmbito de um programa de subsídio ao consumidor dividido em duas fases, num valor total de oito mil patacas. A iniciativa tinha por grande propósito ajudar também o comércio local.

De acordo com a Autoridade Monetária e Cambial de Macau (AMCM) e com a Direcção dos Serviços de Economia (DSE), até domingo foram efectuados mais de 22,5 milhões de pagamentos. A fasquia equivale a cerca de  60 por cento do montante total do subsídio para a segunda fase do cartão de consumo, que se iniciou no início de Agosto.

Mais de 640 mil residentes receberam já o subsídio relativo à segunda fase do cartão de consumo, tendo o número total de beneficiários já excedido os que beneficiaram durante a primeira fase do plano.

A restauração ocupa a maior proporção do montante total utilizado através de cartões de consumo em todos os sectores, correspondendo cerca de 25,6 por cento do valor total das transações dos cartões de consumo, indicaram os dois organismos governamentais.

No comércio a retalho, os supermercados registaram o maior valor de transação, com 20,1 por cento, acrescentaram a Autoridades Monetária e a Direcção dos Serviços de Economia.

A criação e distribuição de um cartão de consumo electrónico foi uma das primeiras medidas anunciadas pelo Governo de Macau para responder à crise provocada pela pandemia.

Um primeiro montante de três mil patacas foi atribuído aos mais de 600 mil residentes, para ser gasto em Maio, Junho e Julho. Em Agosto, os residentes voltaram a receber mais cinco mil patacas para gastar até ao final de Dezembro.

O Governo tem justificado a medida com o objetivo de “dinamizar a economia, alargar a procura interna, mitigar as dificuldades enfrentadas pelas empresas na exploração de negócios, estabilizar o mercado de emprego e, ao mesmo tempo, atenuar a pressão económica dos residentes”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.